Não Seja um Leigo do MMA

Para entender um pouco de MMA, existem basicamente dois caminhos: conhecer bem uma ou mais artes marciais, e/ou ser um viciado em MMA pela TV.
No primeiro caminho, o das artes marciais, considero que a partir de uns 3 anos bem vividos de arte marcial, considerando competições, graduações, etc, são suficientes para ter-se algum entendimento de MMA.
Já no segundo, o do MMA pela TV, primeiro é necessário ser um pouco inteligente. Para assim absorver o conhecimento dos comentaristas, sites especializados e vendo os próprios eventos.
Não existem estatísticas precisas sobre o assunto. Mas duvido muito que 50% do público que vê MMA atendam a esses requisitos acima. O que implica numa série de comentários tipos de leigos.
Essa minha provocação veio durante o UFC 224, onde estava no evento fazendo a cobertura pela TSM. Neste evento quando o Junior Albini foi finalizado com um Ezequiel, choveram comentários esdrúxulos como:
– Que viado! Como bate com isso?
– Porque ele não socou o cara na costela??? (com o braço “livre”)
– Ele já cansou! Bateu porque cansou!
Entre outros tantos comentários nesse padrão. Certamente nenhum dos que estavam falando já subiram em um tatame e foram finalizados em qualquer chave do BJJ. Se pelo menos tivessem subido uma única vez, no mínimo teriam ficado calados ou questionar o fato do Albini não ter quebrado a distância quando ainda estava em pé.
Brasileiro, por cultura, só entende de futebol. Claro, quem não jogou pelo menos uma partida de futebol na infância? Então o futebol está no “sangue” da maioria dos Brasileiros, o que nos torna comentaristas até razoáveis sobre o assunto.
No caso do MMA é diferente, os poucos que praticarão alguma arte marcial, muitos deles o fizeram na infância, sobre o contexto de “extravasar energia”.
MMA é um esporte complexo, envolve todas as habilidades de luta já desenvolvidas pela humanidade através de séculos de evolução. O homem precisa se defender um dos outros muito antes de querer fazer uma bola e chutar até passar por baixo de uma trave…
Então, é fácil inferir que todos os movimentos das diversas e diversas artes marciais foram aprimorados durante séculos. E mais recentemente, limitado a poucas regras, colocado num cage e em formato de esporte. E com a popularização do MMA, o nível técnico dos atletas chegaram a níveis nunca antes sonhados.
Realmente fica difícil para quem não tem vivencia no esporte fazer comentários assertivos sobre o tema, mas podemos ajudar com algumas dicas para não passar vergonha. Aqui vão elas:
1) Sempre que um lutador “deu as 3 tapinhas”, não foi porque ele é mole ou fraco, é porque ele estava prestes a desmaiar ou ter um osso quebrado ou articulação deslocada (ou as 3 opções juntas);
Então não o critique, procure entender que parte do corpo dele estava sendo atacada. Se duvidar, compareça na academia de Jiu-Jitsu mais próxima, procure alguém com a faixa mais escura disponível (Azul, roxa, marrom, preta…), leve o vídeo no seu celular, e peça gentilmente para que ele aplique aquela finalização em você. Só não peça aos faixas brancas… não seja leigo.

2) Se o lutador cansar no primeiro round, normalmente não foi uma falta de preparo, as vezes foi o ritmo insano no primeiro round com muita variação de luta (chão, em pé, clinch, grade, etc) ou problemas com o corte de peso. Não acredita em problemas com o corte de peso? Experimenta descer uns 10 – 15 Kg do seu peso normal (sem contar a gordura…) as vezes com poucas semanas antes da luta e no dia seguinte entrar no cage com outro cara disposto a arrancar sua cabeça com um upper. Além disso existe o chamado “overtrainning”, quando um lutador começa sua preparação, ela é planejada para ele está no pico de sua performance no dia da luta, as vezes ocorre alguns erros e imprevistos (por exemplo atraso em voos, coletivas de imprensa não programadas, lutador irlandês jogando objetos no seu ônibus…) que fazem com que a preparação seja atrapalhada e o lutador não esteja em sua melhor performance no dia da luta.

3) Quando o lutador for nocauteado com um soco aparentemente fraco, lembre-se que antes daquele soco, ele levou outros 50… ou ainda observe se por acaso a cabeça dele, pelo motivo que seja, estava indo em direção ao soco. Ryan Bader que o diga quando foi nocauteado pelo Lyoto Machida, ou mesmo o José Aldo contra o McGregor.

4) Por falar em Lyoto, quando assistir a lutadores especializados em contra-ataque, como o Lyoto Machida, não ache que ele é “fujão” ou não é “macho” para ir para cima. O jogo dele é esse, as vezes a luta fica morna porque o adversário sabe que se “entrar de qualquer jeito” ele só vai lembrar da luta pela TV, porque o nocaute é certo.

5) Quando o médico interrompe a luta por algum corte ou outro tipo de lesão, pode ter certeza, foi para proteger a integridade do lutador. E normalmente não tem nada a ver com a quantidade de sangue, as vezes um nariz quebrado não sangra tanto assim, porém o risco de vida do atleta lutar com nariz quebrado é real. E outras vezes que vemos um banho de sangue, as vezes não é nada mais que um corte pequeno que atingiu algum vaso, porém sem risco para o atleta.

Para resumir, é normal que o entendimento da grande parte dos expectadores não seja lá muito profundo. Porém basta seguir as dicas do TudoSobreMMA que já dá para não passar vergonha. 😀


Tarcio Martins

31 anos, Engenheiro, faixa preta de Taekwondo e praticante de MMA

Deixe uma resposta

As principais notícias do esporte que mais cresce no mundo, em um só lugar. 

Contate-nos:  

[email protected]

© Copyright 2015-2019 Tudo Sobre MMA| desenvolvido por: Vedrak Devs