Rapidinhas TSM: Raphael Bebezão estreia no UFC Uruguai; Jimi Manuwa anuncia aposentadoria

O UFC Montevidéu segue recebendo novas lutas. Conforme anunciou o site Combate, o brasileiro Raphael Bebezão irá estrear no Ultimate contra o francês Ciryl Gané, pela divisão dos pesados no dia 10 de agosto.

Invicto na carreira com nove vitórias – sendo seis por nocaute, duas na decisão e uma por finalização -, Raphael Bebezão é natural do Rio de Janeiro e possui 30 anos. Em sua última luta nocauteou Brian Heden com 1m39s no LFA 50.

Dois anos mais novo, o francês Ciryl Gané possui apenas três lutas em seu cartel profissional, saindo vitorioso nos três por nocaute.

FIM DE LINHA:

Depois de Alexander Gustafsson anunciar aposentadoria após o UFC Estocolmo, mais um lutador que atuou no card anunciou sua retirada do esporte. Jimi Manuwa, de 39 anos, sofreu o quarto revés consecutivo no último sábado em luta contra Aleksandar Rakic com apenas 42 segundos de luta.

O atleta comunicou a decisão em sua conta no instagram. Manuwa termina sua carreira com 17 vitórias e seis derrotas.

 

Ver essa foto no Instagram

 

I came to London from Nigeria when i was 10 yrs old in 1990. I grew up in south London and had crazy teenage years filled with fights and life lessons. In 2006 i was 26 years old and i discovered the ufc while flicking through the sports channels late at night , it immediately captured me , the likes of rampage jackson, tito ortiz , randy couture , shogun were my favourite fighters and i became a fan instantly. i’d never set foot in any martial arts gym in my life and neither didn’t have any plans to. In 2008 i was 28 years old and i said to myself that i’m gonna fight for the ufc. i got off my sofa and started training muay thai and bjj , i had no martial arts experience but i was a tough cunt from south london. Martial arts immediately put more structure and discipline into my crazy life and helped me become a much better person than i was previously. I had my first pro fight after 2 weeks training and i won. within the first 2 years i was uk number 1, but the goal was to fight for the ufc. I won all my fights by ko and in 2012 i accepted a ufc contract after turning them down twice with an 11-0 record all knockouts. Ive had a great martial arts career and the last 4 fights have been tough losses to take not only for myself but for my family who is always first, ive given out a mostly knockouts and taken a few myself , that’s my fan loving style but it takes a toll on the body especially concussions which are not visible to the eye i’ve met a lot of great people along the way and travelled the world but it’s time to leave this chapter and on to the next one because there’s a life after fighting and i feel it’s my obligation to give more to combat sports which i love dearly outside of fighting. Thank you @danawhite and the @ufc for letting me showcase my skills and thank you to all my coaches and training partners who have helped and taught me along the way , much love to the fans and last but not least much love to my dear family who together we made this dream a reality. Jimi POSTERBOY Manuwa PB1 🦁 … stay tuned 😉

Uma publicação compartilhada por Jimi Manuwa (@pb1_) em

TRADUÇÃO (RETIRADA DO SITE COMBATE):

“Eu vim da Nigéria para Londres quando eu tinha 10 anos, em 1990. Cresci no Sul de Londres e tive anos loucos na adolescência preenchidos com lutas e lições de vida. Em 2006, com 26 anos, descobri o UFC enquanto zapeava por canais de esportes tarde da noite e imediatamente isso me capturou. Caras como Rampage Jackson, Tito Ortiz, Randy Couture e Shogun eram meus lutadores favoritos e me tornei fã instantaneamente. Eu nunca tinha colocado os pés em qualquer academia de artes marciais na minha vida e nem tinha qualquer plano de fazer isso. Em 2008, com 28 anos, eu disse para mim mesmo que ia lutar no UFC. Eu saí do sofá e comecei a treinar muay thai e jiu-jítsu. Eu não tinha nenhuma experiência nas artes marciais, mas eu era o cara do Sul de Londres. As artes marciais imediatamente colocaram mais estrutura e disciplina na minha vida louca e me ajudaram a me tornar uma pessoa muito melhor do que eu era antes. Fiz a minha primeira luta profissional duas semanas depois de começar a treinar e ganhei. Dentro dos primeiros dois anos eu era o número 1 do Reino Unido, mas o objetivo era lutar no UFC. Ganhei todas as minhas lutas por nocaute e em 2012 aceitei um contrato do UFC depois de recusá-los duas vezes com um cartel de 11-0, todas por nocaute. Tive uma grande carreira nas artes marciais e as últimas quatro lutas foram derrotas duras de aceitar não só para mim, mas para minha família, que está sempre em primeiro lugar. Eu nocauteei na maioria das vezes e levei alguns nocautes também. Este é meu estilo que os fãs amam, mas isso cobra um pedágio do corpo, especialmente concussões que não são visíveis aos olhos. Conheci muitas grandes pessoas na minha trajetória e viajei o mundo, mas é hora de deixar este capítulo e ir para o próximo porque existe uma vida depois da luta e sinto que é minha obrigação dar mais aos esportes de combate que eu tanto amo fora da luta. Obrigado, Dana White e UFC por me deixarem mostrar minhas habilidades e obrigado a todos meus treinadores e parceiros de treinos que me ajudaram e me ensinaram por todo o caminho, muito amor pelos fãs e, por último, mas não menos importante, muito amor para minha querida família que, junto comigo, fizemos este sonho se tornar realidade.”

CARD DO EVENTO ATÉ O MOMENTO:
Peso-mosca: Raulian Paiva x Rogério Bontorin
Peso-mosca: Taila Santos x Ashlee Evans-Smith
Peso-pesado: Raphael Bebezão x Ciryl Gané

Raphael Bebezão, UFC


Kelvin Paulo

Estudante de jornalismo, 20 anos. Sinop MT. "O impossível é apenas uma questão de opinião".

Deixe uma resposta

As principais notícias do esporte que mais cresce no mundo, em um só lugar. 

Contate-nos:  

[email protected]

© Copyright 2015-2019 Tudo Sobre MMA| desenvolvido por: Vedrak Devs