Marcos Pezão

Marcos Pezão conta sobre drama envolvendo a USADA e projeta retorno: “Não vejo a hora”

Buscando novos ares na divisão dos pesados, o brasileiro Marcos Pezão falou com exclusividade com nossa equipe. Aos 34 anos, natural de Ribeirão Pires, São Paulo, o ex-participante do TUF Brasil comentou sobre sua carreira até o momento, problemas envolvendo a USADA (Agência antidoping dos Estados Unidos) e projetou seu futuro na organização.

No UFC, o atleta da American Top Team possui nove lutas, saindo com cinco vitórias e quatro derrotas. A irregularidade na sequência de lutas forçou o brasileiro a subir de categoria, da divisão dos meio-pesados (até 93kg) para os pesados (até 120kg) por recomendação médica, conforme contou Pezão.

“Uma coisa que sempre me atrapalhou foi a questão do peso eu sempre tive muita dificuldade para baixar, perdia 25, 26kg. Então era muito desgastante… na minha luta contra o Ovince Saint Preux na categoria eu estava lutando muito bem, mas eu tive uma fratura no rosto, e meu médico falou ‘Pezão, você fica fazendo essas loucuras de baixar peso e seu corpo sente e isso vai te atrapalhar e é melhor você lutar no peso de cima, você não tem estrutura para lutar de meio-pesado’, disse Pezão.

Em 2017, Marcos Pezão recebeu uma dura notícia que tinha sido flagrado em exame antidoping pela USADA. Mais tarde, já em 2018, o órgão de controle anunciou absolvição do brasileiros: Junior Cigano, Rogério Minotouro e Marcos Rogério Pezão. Foi comprovado pela entidade as alegações do grupo de que consumiram suplementos contaminados, e foi identificado farmácias de manipulação como a origem desses produtos. Mesmo inocentando, o atleta da ATT relatou as dificuldades do período.

“Foi um choque, eu estava em treinamento fazendo meu camp para lutar em Rotterdam. Pra mim foi muito difícil, o dinheiro que eu tinha eu investi naquele camp. Quando eu recebi a notícia eu tive um baque, eu lembro que o Roan Jucão chegou e falou “Brother, vamos lutar, deixa que o Alexis (empresário) vai resolver os problemas, você está na melhor academia do mundo, levanta, vai treinar”, ai eu peguei, fui treinar e deixa que meus empresários resolvesse e foi muito difícil em todos os aspectos ainda mais financeiro, eu tenho duas filhas para criar tive que voltar para São Paulo, tive que trabalhar. Mas eu conseguir passar por esse processo, fui inocentado mas mesmo assim sou responsável por qualquer coisa. Eles (USADA) me deram uma pena reduzida, mas eu já estava há um ano e oito meses sem lutar até o tempo que durou todo o processo”, relatou Marcos.

No mês de novembro de 2018, Pezão retornou com vitória diante de Adam Wieczorek no UFC 230, após ficar mais de um ano afastado. Em fevereiro desse ano em sua última luta, o brasileiro acabou finalizado em luta contra Stefan Struve. Ao falar sobre o revés, o peso-pesado revelou que lutou com uma lesão no joelho.

“Três semanas antes eu treinando rompi meu ligamento cruzado e parte do menisco, mas mesmo assim eu decidi lutar porque eu estava bem, quem assistiu a luta viu que eu estava bem.. o negócio é aquilo, quando eu levantei, quando acabou o primeiro round o meu braço estava pesando ‘duas árvores’ as pernas ‘dois postes’ (risos). Meu condicionamento estava muito bom mas meu braços estavam mortos porque eu fiquei três semanas sem lutar jiu-jitsu, wrestling e eu só fazia bicicleta, batia manopla, e finalizava na bicicleta de novo e fazia remo ou seja, o cardio tava em dia e o negócio foi muscular. Enquanto eu estava com energia eu lutei bem. No começo do segundo round cansei, ai tive um erro estratégico e acabei perdendo, mas eu não tenho essa luta como derrota tive uma grande vitória, por mim estar ali, me desafiar naquele momento”.

Ainda em fase de transição para os treinamentos, Marcos Rogério Pezão contou sobre as recentes propostas realizadas pelo UFC e afirmou que deve voltar em breve.

“Na luta contra o Struve tive alguns problemas, eu lutei machucado e não consegui ter um bom desempenho, mas tenho certeza que depois dessa lesão vai vir lutas, o Mick Maynard tá me oferecendo lutas direto, me ofereceram a luta contra o Cyril Gané, Tai Tuivasa que é um cara ranqueado, me ofereceu o Ben Rottwell… então eles querem me colocar pra lutar, eles souberam do problema (com a USADA) é isso que eu quero, é isso que eu preciso, eu vou retornar agora, meus fisioterapeutas me liberam agora, fiz a reconstituição do ligamento cruzado e fiz uma artroscopia no meu menisco, e não vejo a hora de poder voltar e mostrar o meu melhor”, finalizou Marcos Pezão.

Foto: Getty Images

Marcos Pezão, UFC


Kelvin Paulo

Estudante de jornalismo, 20 anos. Sinop MT. "Pois o impossível é apenas uma questão de opinião".

Deixe uma resposta

As principais notícias do esporte que mais cresce no mundo, em um só lugar. 

Contate-nos:  

[email protected]

© Copyright 2015-2019 Tudo Sobre MMA| desenvolvido por: Vedrak Devs