Foto: Evelyn Rodrigues | SporTV | Combate
Foto: Evelyn Rodrigues | SporTV | Combate

 

O goiano Dhiego Lima teve uma passagem conturbada pelo Ultimate, onde fez quatro combates, vencendo uma e sendo derrotado em três oportunidades (inclusive na Final do TUF 19 para Eddie ‘Truck Gordon) e após ser demitido, fez mais três lutas, no extinto Legacy FC, onde venceu o baiano Antonio Trócoli e já pelo Titan FC, derrotou David Michaud e sofreu revés para Jason Jackson em sua última aparição no mês de dezembro do ano passado.

Recentemente, Dhiego foi chamado para integrar o The Ultimate Fighter (Reality Show da organização) em sua 25ª temporada (onde apenas atletas que já lutaram pelo UFC puderam participar), o brasileiro chegou a grande final e está ‘no aguardo’ de seu adversário, que será revelado na próxima quarta-feira (5) quando James Krause e Jesse Taylor, o último episódio a ser exibido e não importa quem seja seu adversário na grande final, que acontecerá na sexta-feira (7), na T-Mobile Arenas em Las Vegas, Nevada, nos Estados Unidos, o ‘brazuca’ está bem confiante para poder pisar novamente no octógono mais famoso do planeta.

“Só foi homem cabeça (para a casa), MMA é um jogo muito difícil, de derrota, de vitória, e tudo clicou para mim agora. Sempre falei antes nas entrevistas que, se eu fizer o que faço no treino, sou um cara muito difícil de perder. E dessa vez clicou para mim. Agora pronto, pus isso na cabeça, deu para soltar meu jogo e vou ser campeão do UFC. Te garanto isso agora “, comentou em entrevista ao Combate.com.

Jovem, com apenas 27 anos de idade e sem pensar em dinheiro ou quaisquer outras coisas que estarão em disputa em mais esta final, disse que está muito confiante em seu jogo, tendo feito todo seu camp junto a seu irmão, campeão dos meio-médios do Bellator.

“A preparação foi muito dura. Agora estamos no finalzinho e é só manter o corpo. Quando estava na casa, não treinamos muito duro porque sempre ia lutar, era só afiar o jogo. Nas minhas últimas três semanas só isso que fiz, não estou pegando duro mais, quero estar lá 100%, com o corpo 100%, e vamos levar essa vitória. Douglas é tudo para mim nesse esporte. Se não fosse por ele, não ia estar onde estou hoje. Ele é meu herói nesse esporte. E não vejo a hora de chegar minha hora. (Incentivo) muito maior vendo isso, vendo ele dominar um cara que é o número 7 do mundo. Douglas é o cara! Treino muito com ele, foi o primeiro camp que fizemos juntos. Os últimos três anos foram difíceis, ou eu estava machucado, ou ele estava machucado. Foi o primeiro camp em três ou quatro anos que fizemos completamente juntos”, finalizou.