Foto: Josh Hedges | Getty Images | Zuffa LLC.

 

Todos nós conhecemos o grande rivalidade entre o norte americano ex-campeão peso pesado do extinto Strikeforce e atual campeão peso meio-pesado do UFC Daniel ‘DC’ Cormier e seu compatriota e ex-campeão da divisão Jon ‘Bones’ Jones, que por muito tempo, dominou essa divisão de peso e figurou como melhor peso por peso da história do esporte.

Eles já se enfrentaram uma vez, no UFC 182 em janeiro de 2015, com vitória para Jones na decisão dos árbitros laterais, o que inflamou mais ainda essa rivalidade, pois esse foi o primeiro carimbo no cartel do atual campeão.

Uma revanche também foi marcada, para o histórico UFC 200, porém, Jones foi pego no exame antidoping da USADA, o que forçou o cancelamento do combate e a revolta de Cormier, que chegou a chorar de raiva ao receber a notícia do presidente do Ultimate Dana White, que chegou a comentar que Jon Jones nunca mais faria um main event de um evento da organização, o que não foi cumprido.

Uma nova revanche foi marcada, desta vez, para o UFC 214, onde eles vão se enfrentar na luta principal de um dos eventos mais aguardados da história, assim como fôra no passado UFC 200 em julho do ano passado, e com a hora para o tira teima chegando, Cormier não esconde o receio de que Jones possa ser novamente retirado do card, o deixando ‘na mão’ e pediu para que o mesmo, apareça em Anaheim para o confronto.

“Tento ser positivo. Você acha que está tudo bem, mas na última vez (que Jon Jones se retirou) foi dois dias antes da luta, então, realmente não estarei completamente seguro até estar no octógono. As coisas podem acontecer a qualquer momento. Eu vou estar lá, então espero que Jon também esteja”, disse em entrevista ao programa ‘The MMA Hour’.

Ele também revelou que Dana chegou a oferecer-lhe, uma luta diante do top 5 da divisão, combate este, recusado pelo atual campeão.

“Eles me ofereceram a luta com (Jimi) Manuwa em 29 de julho, em Anaheim. Uma semana depois de eu lutar (com Johnson), Dana me chamou, e eu estava indo para Kansas City. Jimi Manuwa estava em seu escritório, e Dana disse: “Você contra Manuwa em Anaheim”. E eu: “Ehhh…”. E ele: “O que há de errado?”. Respondi; “Precisa ser Jones. Precisa ser Jones, vamos fazer acontecer. Me diga que ele está pronto. Diga-me que ele vai fazer isso”. Depois de uma semana, ele (Dana) disse: “DC, se acalme, estou trabalhando nisso”. E finalmente foi Jones. Tinha que ser. Quero lutas que me deixem empolgado. Com o Anthony Johnson tinha uma dúvida se ele poderia me acertar e meu nocautear… Isso é o que me deixa com vontade de lutar. Pensar se o Jones será capaz de fazer o que ele fez da última vez, esse tipo de coisa que faz meu sangue circular. Se não, volto para a televisão”, finalizou.