Foto: Kevork Djansezian | Getty Images | Zuffa LLC.

Ele não é muito de falar, inclusive, durante o Media Day da ‘International Fight Week’ 2017 em Los Angeles, Califórnia, nos Estados Unidos, o ex-campeão do DREAM, K-1 e Strikeforce Alistair, que enfrentará o brasileiro ex-campeão do UFC Fabrício Werdum no próximo sábado (8) no card principal do UFC 213 que será sediado na T-Mobile Arena em Las Vegas, Nevada, nos Estados Unidos, concedeu uma entrevista um tanto quanto polêmica ao ‘FightHub TV’, onde afirmou que não considera o russo Fedor Emelianenko o maio peso pesado de todos os tempos como afirmam sempre ao redor do planeta.

“O que posso dizer? Acho que Fedor teve uma ótima fase de 2002 a 2005. As pessoas falam sobre dez anos de invencibilidade e blá, blá, blá. Mas depois de 2005, com quem ele lutou? Só enfrentou latas. Ele se recusou a me enfrentar duas vezes, em 2009 e 2010. Outra coisa é que ele nunca se testou no UFC. É algo que me chateia. Ele deveria ter feito isso. Ele deveria ter ido para o UFC e foi para aquela mistura. Sempre vai ter essa coisinha na carreira dele. Ele não é o maior peso-pesado porque ele não aceitou me enfrentar duas vezes na época que eu era campeão do Strikeforce. Você quer lutar pelo cinturão, certo? Eu queria lutar com ele, ele tem um nome forte. Em segundo, porque ele não foi para o UFC”, contou Overeem, revelando que Fedor negou-se a enfrentá-lo por duas vezes quando ele era detentor do cinturão do extinto Strikeforce.

‘The Reem’, também sugeriu uma aposentadoria a Fedor, que recentemente, foi nocauteado pelo ex-UFC Matt Mitrione em uma das lutas principais do Bellator 180 sediado na Madison Square Garden Arena em Nova York.

“Sou fã do Fedor. Gosto dele como pessoa, mas tenho conversado com o meu pessoal, meu técnico e meus companheiros sobre quando é o melhor momento para pendurar as luvas. Quando sua performance começa a diminuir seu legado e sua carreira? Penso em todas as questões legítimas, e acho que elas valem para ele também. Ele deveria ter esse tipo de conversa. Quando você está bem, não é necessário ter essa conversa. Mas quando você está mal, então acho que é importante falar sobre isso. Quando você acumula derrotas consecutivas, você deveria ter uma conversa com você mesmo, com as pessoas ao seu redor. Eu o conheço, mas não sei se o conheço tão bem. Não sei se as pessoas em volta dele estão sendo honestas. Não sei se é pelo dinheiro. O dinheiro é motivador porque, claro, Fedor está ganhando um bom dinheiro quando luta. Talvez ele não tenha uma boa reserva. Nunca se sabe. Existem vários fatores que importam, mas eu espero que isso não destrua o legado dele ainda mais”, finalizou.