Crédito: Jeff Bottari

A edição numerada acontece em Las Vegas, na T-Mobile Arena, no dia 8 de Julho, sábado. Como luta principal a Brasileira Amanda Nunes defende o cinturão do Peso Galo (até 61kg) contra a trocadora Valentina Shevchenko, em uma revanche para a desafiante que já foi derrotada pela atual Campeã, na co-luta principal, temos uma disputa de cinturão interino, entre Soldado de Deus, Yoel Romero (1º) contra Robert “The Reaper” Whtitaker (3º), pela categoria dos Médios (até 84kgs).

A coluna pede que eu escolha uma luta para analisar e dar minha opinião, contudo, não posso ignorar duas disputas de cinturão, por isso, essa edição terá duas Lutas da Noite, obviamente, com as duas disputas de cinturão. Mas não esqueçam que o card tem outras boas lutas;

  • O “Vai Cavalo” vai fazer sua terceira luta contra o “Ex Bomba” Alistair Overeen, no que promete ser o melhor duelo entre os dois;
  • Anthony Pettis de volta aos Leves pegando Jim Miller e, é uma promessa de boa luta;
  • E Thiago Marreta, com sua tatuagem muito bem pensada, vai enfrentar Gerald Meerschaert, que tem um retrospecto recente, com duas vitórias por submissão ainda no primeiro round, na busca de voltar ao caminho das vitórias.

Falarei primeiro do combate mais esperado da noite e, me desculpem as meninas, mas a galera dos médios é quem vai começar.

Yoel Romero vs Robert Whittaker, a disputa do cinturão (seria o verdadeiro?) do Peso Médio, é sem dúvidas uma luta difícil de se palpitar – tão difícil quanto foi Romero vs. Weidman, no UFC 205.

Como o próprio Romero falou, Whittaker é rápido para categoria, mas é difícil ir contra o “Momento” do cubano – apesar de eu ter lá minhas dúvidas quanto a procedência desse rendimento dele em alto nível. Robert era um meio-médio (categoria de peso até 77kg), até ser derrotado por Stephen Thompson, ainda no primeiro round, então resolveu subir para os Médios (até 84kg), sua atual categoria, onde encontrou caminho das vitórias, dono de uma boa movimentação, boa trocação e velocidade acima da média, ele vem colocando adversário atrás de adversário no chão, tendo como última vitima, nosso querido Ronaldo “Jacaré”. Por isso acho complicado indicar alguém para ganhar, apesar disso, se Romero conseguir derrubar o australiano, as coisas ficam difíceis para o seu lado, e vou contar com esse cenário, MAS, não duvidaria de um novo Highlight pra conta do “The Reaper”.

Então vamos falar de cada um deles, pra ver até onde esse palpite pode ser certo ou não.

Crédito: Mike Roach

Vou tratar do “idoso” primeiro, por respeito a sua carreia BEM mais extensa. Yoel Romero, também conhecido como “Soldado de Deus” é um senhor de 40 anos, e com muita história do mundo das lutas nas costas. É medalhista Olímpico de Wrestling FreeStyle, tendo conquistado a medalha de Prata na edição que a Austrália foi anfitriã (coincidência?).

O gabarito do cubano na luta olímpica é grande, mas curiosamente é a potência de suas mãos que o colocam em evidência, tendo um bom boxe para o meio do MMA, geralmente resolvendo suas lutas pela via rápida. Apesar disso, ele é um Peso Médio (até 84kg) pequeno, com apenas 1,77 de altura, ostentando uma envergadura pouco proeminente, de 1,85 cm, para a categoria. Mesmo assim, é capaz de encurtar a distância com sua explosão muscular absurda (aquela musculatura toda deve ser pra isso, né?), deixando seus adversários em apuros – basicamente ele tem a opção de trocar na curta distância, deixando o adversário a mercê de seus potentes golpes ou, optar usar sua incrível capacidade de colocar outros lutadores no chão com extrema facilidade e, de formas variadas. Pode-se adicionar ao arsenal do cubano um toque de imprevisibilidade, pois é capaz de mesclar chutes altos, joelhadas e golpes rodados. Quando a luta vai para baixo, ele basicamente usa sua potência com socos e cotoveladas pesadas – pode-se dizer que seu ground and pound é uma arma mortal. A incrível explosão muscular – já citada, vem acompanhada de um gás bem incomum – principalmente pelo seu tamanho (hm, os músculos) e idade, que o permite aplicar pressão em seus adversários de forma quase intermitente – seja ela na forma de domínio territorial ou, punindo cada errado cometido pelo oponente. Para piorar, como demonstrou contra o ex-campeão da categoria, Chris Weidman, ele é inteligente, e sabe fazer uso da estratégia traçada por seus técnicos, tomando as precauções necessárias dependendo de seus adversários. Bem, na verdade ainda não pode-se dizer que acabou, Romero é um lutador canhoto, e terá essa vantagem contra seu adversário, que é destro. Então, para resumir, pode-se dizer que o Soldado de Deus é um lutador completo e, extremamente perigoso, em qualquer uma das três instâncias que o MMA engloba.

Apesar de ser jovem, Whittaker tem 26 anos, é um lutador experiente, tendo realizado 21

Crédito: Mike Roach

combates em sua carreira profissional. Surgiu no UFC como o campeão da edição “The Smashes” do TUF na categoria Meio Médio (até 77kg), nessa faixa de peso teve um retrospecto regular com duas vitórias e duas derrotas, o que o levou a subir de categoria, indo para os Médios (até 84kg), onde está numa sequência de sete vitórias seguidas. The Reaper, como é conhecido, é um trocador completo, com base no karatê e hapkido, tendo como característica; contra golpes e velocidade. Mesmo assim, é realmente competente quando é ele que toma a iniciativa, alternando ângulos e alturas, com bons golpes retos e chutes laterais, se aproveitando de sua ótima movimentação. Também é um bom lutador de solo, apesar de não fazer uso constante dessas habilidades é capaz de se virar razoavelmente no chão. Contudo, como ponto preocupante, posso indicar sua guarda, que geralmente não é a das mais fechadas; ele confia em sua velocidade, na esquiva e na sua capacidade de recuar enquanto ataca – Derek Brunson descobriu essa faceta de seu jogo da pior forma.

É, falando dessa forma o motivo de eu apostar no Romero fica um pouco mais claro, não?

Mas deixe-me fazer algumas considerações finais:

Romero é um homem de 40 anos, e geralmente nessa faixa de idade o corpo não reage da mesma forma como reagia quando tinha 26 anos, por isso, em TEORIA, o australiano terá certa vantagem contra o cubano. Seguindo essa linha de raciocínio, ao sobreviver a uma possível blitz inicial de Romero, The Reaper, terá a vantagem da jovialidade. Tudo bem que Romero tende a dosar o ritmo de suas lutas, sendo burocrático até achar uma boa brecha, lutando de forma inteligente, cercando o adversário e o punindo a cada erro, só acelerando nos rounds finais. É importante lembrar, também, que a luta terá cinco rounds, e não três, como o cubano está acostumado – ele se apresentou apenas uma vez em uma luta com cinco rounds, ainda que tenha se sagrado vencedor antes do soar do gongo final.

Mas nem tudo são flores no mundo do octógono, principalmente quando você está contra o Soldado de Deus. Um lutador que tem um estilo próximo ao de Whittaker, é Lyoto Machida, apesar de o australiano tomar mais a inciativa, depender menos de fintas e ter uma trocação mais consistente, suas movimentações e hábitos provenientes do caratê ainda são parecidos, como a guarda aberta, a movimentação lateral e a busca dos contra golpes. Romero levou dois rounds e meio para decifrar as brechas do brasileiro, e enquanto fazia isso o atingia com seus golpes potentes sempre punindo seus erros. Whittaker terá que tomar muito cuidado, para não ser surpreendido com a explosão e potência do cubano que, também não vai pensar duas vezes em derruba-lo. Talvez ele possa usar o começo “lento” de Yoel a seu favor, acelerando o ritmo da luta ele mesmo, no entanto, isso pode se virar contra ele, por ser no início do combate onde Romero está mais inteiro fisicamente.

Crédito: Mike Roach

Em uma leitura final, Romero tem a vantagem se seu jogo for predominante e se impor sobre o de Whittaker, que por sua vez precisa; ou começar a luta em alta velocidade, tomando as ações, ou, conseguir cozinhar o embate até que o Soldado de Deus esteja cansado demais para oferecer tanto risco. Acelerar a luta, porém, é uma opção perigosa, porque apesar de mais alto, o alcance de Robert é inferior ao do Cubano, que tem um bom sistema defensivo.

Não me surpreenderia se Yoel viesse com a estratégia de derrubar seu adversário para evitar que a velocidade, que o próprio elogiou em Whittaker, seja usada contra ele. No chão, o australiano tem poucas chances de sobreviver ao GnP brutal do cubano – como disse no inicio.

Certo, agora eu termino: a capacidade de escolher qual tipo de jogo usar na luta dá a vantagem para Yoel Romero, enquanto Robert Whittaker depende de variáveis mais específicas, por isso, meu palpite é que o cinturão interino fique nas mãos do veterano Yoel Romero, para o desespero do atual campeão – que foi desafiado por GSP a poucas horas, para uma luta em novembro, na cidade de Nova York.