Foto: Getty Images

A campeã peso-galo do UFC Amanda Nunes, optou por sair do card do UFC 213 e consequentemente adiou a revanche diante da peruana Valentina Schevchenko, que valeria o título da divisão. A baiana tomou a decisão de não subir ao octógono após passar mal e ser hospitalizada com problemas de saúde.

Além de alguns fãs do esportes, o presidente da organização também criticou a postura de Amanda Nunes e disparou que o motivo da ‘Leoa’ não ter lutado foi 90% psicológico e apenas 10% da parte física.

Mas nem todos se posicionaram contra a brasileira campeã dos galos do UFC,  atual campeão dos meio-pesados saiu em defesa da ‘Leoa’. Foi em conversa com o ‘MMA Junkie Radio’ que Daniel Cormier fez declarações em apoio a Amanda, alegando que a atleta estava dentro do seu direito.

– Eu não acredito que ela estava com medo. Acredito que ela estava doente. E se ela estava doente e não poderia lutar, então ela tinha todo o direito de não lutar”- Disse Cormier.

Amanda Nunes deu indícios que quer remarcar a luta para o dia 9 de setembro, no UFC 215, no Canadá, mas nada foi confirmado pela direção do Ultimate. Enquanto isso, Daniel Cormier defenderá seu título na edição 214 do UFC contra Jon Jones.