Ricardo Ramos
Foto: Dario Ferrari | TV Fight | Tudo Sobre MMA.

Nova York – EUA: Motivado e em alta no Ultimate com dois triunfos consecutivos, o peso-galo da equipe Black Sheep de Campinas, Ricardo Ramos, gostou tanto de Nova York, que resolveu ficar na cidade norte americana para aprimorar-se cada vez mais como lutador.

Muito bom em pé e no chão, Ricardo Ramos está em New York City para passar uma temporada em busca de melhorar ainda mais seu jogo no Boxe e para isso, se alojou na cidade para treinar com a lenda da nobre arte Lenox Blackmoore, um dos responsáveis da Gleason’s Gym, tio do também boxeador Shaun George, tendo competido profissionalmente na década de 70, sendo desafiante aos cinturões da WBA e da WBC, encerrando sua carreira com 25 vitórias e apenas 5 reveses em 30 lutas profissionais.

“Estou aqui para aprimorar meu inglês, para ganhar uma certa experiência fora do Brasil, de morar fora, estou aqui sozinho, vou passar alguns meses por aqui, mas fiquei para pegar aprendizado. Vou treinar em outra academia, fazer um treinamento geral, essa é uma fase em que eu poderei aprimorar diversas outras coisas, não apenas o MMA, então isso foi o que me motivou a ficar aqui. Eu gosto de aprender, gosto de coisas novas e o Boxe é uma coisa que eu visualizava e sabia que tinha que melhorar, então recebi a oportunidade e já fiquei por aqui (Nova York) para poder treinar”, disse o focado lutador que está aprimorando seu jogo da Nobre Arte na lendária academia Gleason’s Gym.

Fazendo aulas particulares com o lendário boxeador, Ricardo Ramos falou sobre os treinamentos na academia onde até mesmo o ator mundialmente conhecido Sylvester Stallone gravou cenas do filme Rocky Balboa.

“Estou fazendo aulas particulares com Lennox Blackmoore, to dia eu vou a academia e faço um treino particular, afiando minha mão, enquanto ele fica me passando as técnicas e depois, à tarde, a academia fica aberta, possibilitando treinamentos em toda a área, mas eu ainda não fiz nenhum sparring, estou treinando solo com ele por enquanto, para iniciar bem, aprendendo bem o Boxe tradicional deles”.

Procurando evoluir em todas as artes que pratica, Ricardo Ramos também comentou sua evolução psicológica e comparou o início de sua carreira no MMA Brasileiro e seu momento atual.

“Eu venho afiando tudo que eu posso, dentro das condições dos locais onde eu treino, por exemplo, quando eu estiver no Brasil, eu vou afiar meu Jiu-Jitsu, o meu Muay Thai, se eu venho para cá (Estados Unidos) eu tento fazer camps, treinar em outras equipes e pegar o melhor de cada uma né, eu afio meu Wrestling, meu Jiu-Jitsu também, e agora estou fazendo com o Boxe. A grande diferença entre o Ricardo do MMA Brasileiro e agora, além da experiência que adquiri nas lutas internacionais, a minha parte psicológica mudou completamente, hoje sou outro cara. A parte mental é muito importante nas lutas, eu evolui muito tecnicamente, mas principalmente no psicológico e isso faz o atleta, pois ele pode estar o mais preparado fisicamente possível, mas se ele não tiver com cabeça para lutar, pô, ele tiver, tipo, com pensamentos negativos próximo da luta, ele vai jogar tudo para o alto e colocar tudo a perder, se não tiver com a cabeça focada e blindada. Hoje em dia eu faço Yoga, e a prática me elevou para outro nível, meu treinador de Yoga, o Márcio Escova, ele fez um trabalho comigo durante muito tempo, quase um ano e meio já e desde então eu mudei muito. Hoje em dia essa parte psicológica tem sido muito importante”.

Sobre o Boxe adaptado para o MMA, Ricardo Ramos afirmou que o estilo de luta de cada um é o que faz a diferença em cada arte em cima do octógono mais famoso do mundo.

“Isso é uma questão de estilo. Eu gosto de treinar separado, logo pós luta, eu gosto de pegar a arte que estou treinando, por exemplo, gosto de me dedicar bastante a cada arte. Se eu pegar o Wrestling para treinar, vou treinar como se eu fosse um wrestler e assim por diante. Se eu for treinar Jiu-Jitsu com kimono como se eu fosse um atleta da modalidade e quando a gente faz isso, por exemplo, como estou agora, no momento eu estou treinando como se eu fosse um lutador de Boxe, e eu vou treinar especificamente para aprender os detalhes e tudo o que Nobre Arte ensina, isso é muito importante. Eu acho que o atleta tem que ter consciência disso e tem que transferir isso para o MMA quando for fazer um camp, quando ele for se preparar para uma luta, por isso eu digo que agora estou em uma fase geral, que é uma fase de aprendizagem e quando eu somo todos esses aprendizados no meu corpo, na minha mente, e quando eu vou fazer meus camps eu consigo transferir tudo isso para meu jogo no MMA, então é uma questão de estilo, a guarda, tudo isso, nós vamos adaptando conforme nosso jogo de MMA e eu tenho um jogo formado, mas sempre tento mudar um pouco, vindo com uma nova surpresa para as lutas, então eu vou adaptando no meu jogo as coisas que eu acho importantes e venho aprendendo em todas as artes que eu venho treinando especificamente”, disse o lutador que se colocou não como promessa brasileira no esporte, mas como uma grande realidade.

Veja também:

Quando indagado sobre declarações de atletas que dizem que o Boxe não é necessário no MMA por conta da trocação que fazem todo dia como Kickboxing, Muay Thai, dentre outras modalidades, Ricardo Ramos mandou uma resposta direta.

“Acredito que tudo agrega para um lutador da modalidade. Acho que se o cara pensa que ele não precisa de Boxe para lutar no MMA, à partir do momento que ele desfere um jab, um direto, um cruzado, um upper e um gancho na barriga, ele já está fazendo Boxe, então se ele faz isso ele está praticando a Nobre Arte, isso é Boxe. Se ele acha que não precisa da arte, eu acho que ele tem uma limitação. Acredito que tudo que eu aprender e absorver e conseguir trazer para o meu jogo no MMA, vai agregar e me fazer melhor. Então, quando um cara pensa assim, ele está se limitando, e para mim, esse seria um bom adversário a se enfrentar, esse tipo de cara é aquele que não quer evoluir, mas claro, tem muito cara bom de Muay Thai, e mesmo eu sendo do Jiu-Jitsu, eu nunca deixei de treinar o Muay Thai, então estou sempre tentando aprender o máximo e evoluir, pois quanrto mais armas eu tiver para utilizar em uma luta, mais chances de ganhar eu vou ter”, finalizou em entrevista exclusiva para o Tudo Sobre MMA.