UFC

UFC e TikTok anunciam parceria para conteúdos em tempo real

O UFC fechou um acordo com uma das redes sociais mais populares atualmente, o TikTok. Em comunicado divulgado para a imprensa nesta quinta-feira (18), a parceria foi anunciada mas sem conter os valores envolvidos e o tempo de duração.

O projeto começará neste sábado durante o UFC Vegas 19, que terá na luta principal o duelo entre Curtis Blaydes e Derrick Lewis. A ideia da parceria também é aproximar os fãs dos bastidores dos eventos, com interação dos lutadores.

“Esta parceria com a TikTok é uma adição tremenda ao ecossistema de distribuição de conteúdo do UFC. Queremos estar em todos os lugares em que nossos fãs estão consumindo conteúdo e o TikTok continua a abrir novos caminhos para alcançar um público diversificado e global”, disse David Shaw, vice-presidente sênior Internacional e de Conteúdo do UFC.

A união das duas marcas só reforça o crescimento das ligas esportivas dentro do TikTok. O Ultimate é a terceira liga esportiva com mais seguidores no aplicativo, perdendo apenas para a NBA e a WWE.

“Estamos entusiasmados em aprofundar nossa parceria com o UFC e lançar uma lista robusta de conteúdos exclusivos que serão transmitidos ao vivo para a comunidade TikTok. Agora, mais do que nunca, os fãs de esportes desejam estar mais próximos dos momentos que estão perdendo por não participarem de eventos ao vivo. Através dessa parceria, estamos entusiasmados em trazer ao TikTok a ação e a emoção do UFC dentro e fora do octógono”, revelou Harish Sarma, diretor de Parcerias Estratégicas Globais do TikTok para Américas e Oceania.

Leia também: UFC: Dana sobre recusa de Charles Oliveira: “nada de errado”

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Foto: Getty Images

Dana White e Charles

Dana sobre recusa de Charles Oliveira: “Nada de errado”

Dana White confirmou uma proposta de luta para Charles Oliveira no UFC 258, que aconteceu no último sábado em Las Vegas. O adversário para o brasileiro seria o americano Michael Chandler, mas Oliveira recusou devido ao pouco tempo de preparação para o combate.

Em entrevista para o site Complexy, Dana White saiu em defesa de Charles do Bronx, alegando que o brasileiro não tinha obrigação de aceitar o duelo, já que o convite foi de última hora.

“Teve uma oferta para Chandler lutar com Oliveira (Charles) sim, mas para ser justo com Oliveira, foi em cima da luta. Nós estávamos apenas checando para ver se esses caras queriam um retorno rápido. Oliveira disse: “Quero um camp completo”. E não tem nada de errado com isso”.

“Não quero fazer isso soar como: “Oliveira recusou Michael Chandler”, porque não é verdade. O que Oliveira recusou foi uma luta de última hora. Se nós pudéssemos fazer isso, queria fazer isso. Se ele quer um camp completo, é absolutamente justo”, disse Dana White.

Charles do Bronx vive uma expectativa de ganhar uma chance pelo cinturão. O atleta da Chute Boxe está com uma sequência de oito vitórias consecutivas, sendo a mais recente sobre Tony Ferguson.

Do outro lado estaria Michael Chandler, que chegou recentemente ao Ultimate após uma boa passagem pelo Bellator, onde conquistou o cinturão peso-leve. Na estreia pelo UFC, venceu Dan Hooker por nocaute.

Leia também: Dustin Poirier descarta Chandler e mira Charles do Bronx

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Foto: Getty Images

Rodolfo Vieira revela frustração com derrota: “pior dia da minha vida”

Se muita gente ficou surpresa com a derrota de Rodolfo Vieira por finalização no UFC 258, neste sábado (13), o próprio lutador usou uma rede social para desabafar.

Na publicação, o brasileiro que é pentacampeão mundial de jiu-jitsu e do ADCC, descreveu o duelo contra Anthony Hernandez como a “pior performance da vida” e disse que ainda não entendeu como cansou tão rápido.

Rodolfo Vieira começou o duelo pressionando o americano e buscando a finalização, porém acabou surpreendido na parte em pé e sofreu diversos golpes frontais. Atordoado e nitidamente sem forças para reagir, Rodolfo virou presa fácil para o adversário que garantiu a vitória por finalização no segundo round.

Ainda no texto escrito, Rodolfo lamentou o revés e revelou que queria vencer para homenagear seu filho que nasceu há pouco tempo, e sua avó, que faleceu recentemente.

CONFIRA O TEXTO NA ÍNTEGRA PUBLICADO POR RODOLFO:

“Galera ontem foi o pior dia da minha vida, foi a pior performance da minha vida, foi a primeira vez do meu filho me assistindo, apesar de ser um bebê e não entender nada que por um lado foi até bom de não ver a surra que o pai tomou e ainda ser finalizado!! Kkkk Também foi a primeira vez que luto depois da minha Avó falecer, ela que era uma das minhas maiores fãs e assistia todas as minhas lutas, eu queria demais sair vitorioso e dedicar a eles isso! Infelizmente nem tudo sai como a gente quer, tô aqui ainda sem entender o por que cansei tanto logo no primeiro round, tive alguns erros que já sei quais foram, que com certeza vão ser consertados, mas realmente cansar da forma que cansei eu ainda não consegui entender! Eu fiz um ótimo camp, tive o melhor corte de peso até hoje, tava tudo muito bem…Mas tenho que parabenizar o Anthony pela grande vitória e espero realmente que ele tenha ganhado os 50 mil dólares de perfomance da noite… Eu sei que preciso melhorar muito, em tudo, nunca escondi isso e todo dia treino em busca dessa evolução! Enfim, passou. Eu só quero agradecer a todos vocês pelas mensagens de incentivo e apoio que não param de me mandar, realmente vocês não existem! Eu sou muito grato a Deus, e me sinto super abençoado por ter a família que eu tenho, os amigos e claro os fãs que mesmo sem me conhecerem pessoalmente conseguem fazer eu me sentir tão forte, tão importante e tão querido por vocês. Obrigado do fundo do meu coração, amo vocês”, escreveu Rodolfo.

VEJO OS RESULTADOS DO UFC 258

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Foto: Kelvin Ramirez/Tudo Sobre MMA

Usman x Durinho

UFC 258 – Resultados: Kamaru Usman x Gilbert Durinho

Aconteceu neste sábado (13) em Las Vegas o UFC 258. A edição trouxe na luta principal um duelo pelo cinturão da categoria da divisão dos meio-médios entre o atual campeão Kamaru Usman contra o brasileiro Gilbert Durinho.

Durinho estava embalado com seis vitórias consecutivas, e conquistou a chance pelo cinturão após bater por último o ex-campeão Tyron Woodley na decisão unânime.

Do outro lado estava Kamaru Usman, que agora possui um cartel quase perfeito com 18 vitórias e apenas uma derrota. O nigeriano emplacou a terceira defesa de cinturão.

Mais três brasileiros estiveram no evento. Polyana Viana abriu a noite verde e amarela com vitória sobre Mallory Martin, enquanto Dhiego Lima logo em seguida foi superado por Belal Muhammad.

E fechando o card preliminar, a lenda do jiu-jitsu Rodolfo Vieira acabou sendo supreendido por Anthony Hernandez e foi finalizado no segundo round.

CONFIRA OS RESULTADOS DO UFC 258 EM TEMPO REAL:

CARD PRINCIPAL:

Peso-meio-médio: Kamaru Usman venceu Gilbert Durinho por nocaute técnico (socos) aos 34s do 3º round
Peso-mosca: Alexa Grasso venceu Maycee Barber por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28)
Peso-médio: Kelvin Gastelum venceu Ian Heinisch por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Peso-médio: Julian Marquez venceu Maki Pitolo por finalização (anaconda choke) aos 4m17s do terceiro round
Peso-pena: Ricky Simón venceu Brian Kelleher por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)


CARD PRELIMINAR:
Peso-médio: Anthony Hernandez venceu Rodolfo Vieira por finalizaçaõ (guilhotina) aos 1m53s do 2º round
Peso-meio-médio: Belal Muhammad venceu Dhiego Lima por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Peso-palha: Polyana Viana venceu Mallory Martin por finalizaçaõ (chave de braço) aos 3m18s do 1º round
Peso-casado (até 63,5kg): Chris Gutierrez venceu Andre Ewell por decisão unânime (30-26, 29-28, 29-27)
Peso-meio-médio: Gabriel Green venceu Phil Rowe por decisão unânime

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Leia também: Khamzat Chimaev destrói saco de pancadas e ameaça Leon Edwards

Foto: Getty Images

Usman x Durinho

(Vídeo) Usman e Gilbert Durinho fazem encarada e confirmam luta para o UFC 258

Em pesagem oficial realizada nesta sexta-feira (12), Kamaru Usman e Gilbert Durinho confirmaram a luta principal do UFC 258 que acontece neste sábado (13) em Las Vegas. A encarada após a pesagem foi tensa, com os dois atletas se encarando além do tempo.

O nigeriano Usman bateu 77,1 kg, porém deu um susto inicialmente. O campeão dos meio-médios estava usando uma máscara e ficou acima do limite do peso por 0,5 libra (cerca de 227g). Entretanto, tirou a máscara e confirmou o peso correto logo em seguida.

Gilbert Durinho apareceu para se pesar com 30 minutos da abertura e bateu o peso (77,1kg) sem maiores dificuldades.

Outros três brasileiros também passaram sem problemas pela balança. Polyana Viana usou a libra de tolerância e cravou 52,6kg pela categoria peso-mosca e confirmou o duelo contra Mallory Martin.

Dhego Lima pesou 76,9kg, assim como seu adversário Belal Muhammad pela divisão dos meio-médios. Já na categoria de cima, nos médios, Rodolfo Vieira e o americano Alexander Hernandez cravaram 84,4kg e confirmaram a última luta do card preliminar.

O duelo entre Jim Miller e Bobby Green foi cancelado. Bobby passou mal e acabou desmaiando antes da pesagem. O combate entre Simon e Kelleher entrou no lugar para o card principal.

Resultados da pesagem oficial – UFC 258 Usman X Durinho:

CARD PRINCIPAL

Cinturão peso-meio-médio (até 77,1kg): Kamaru Usman (77,1kg) x Gilbert Durinho (77,1kg)Peso-mosca (até 57,2kg): Maycee Barber (57,2kg) x Alexa Grasso (56,9kg)Peso-médio (até 84,4kg): Kelvin Gastelum (84,4kg) x Ian Heinisch (84,1kg)Peso-pena (até 66,2kg): Ricky Simón (66kg) x Brian Kelleher (66kg)Peso-médio (até 84,4kg): Maki Pitolo (83,9kg) x Julian Marquez (83,9kg)


CARD PRELIMINAR
Peso-médio (até 84,4kg): Rodolfo Vieira (84,4kg) x Anthony Hernandez (84,4kg)
Peso-meio-médio (até 77,6kg): Belal Muhammad (76,9kg) x Dhiego Lima (77,6kg)
Peso-palha (até 52,6kg): Polyana Viana (52,6kg) x Mallory Martin (52,4kg)
Peso-casado (até 63,5kg): Andre Ewell (62,8kg) x Chris Gutierrez (63,5kg)
Peso-meio-médio (até 77,6kg): Gabriel Green (76,9kg) x Phil Rowe (77,6kg)
Peso-mosca (até 57,2kg): Gillian Robertson (56,9kg) x Miranda Maverick (56,9kg)

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Leia também: Khamzat Chimaev destrói saco de pancadas e ameaça Leon Edwards

Foto: Getty Images

Por que Mcgregor caiu para Dustin Poirier no UFC 257?

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

UFC 257 uma noite de Espetáculos

Neste último final de semana, no dia 23/24 de Janeiro, tivemos o UFC 257,um evento impressionante, com um desfecho em sua luta principal, entre Dustin Poirier e Conor McGregor, pela categoria dos Leves (70kg), emblemático.

Para nós, aqui no Brasil, essa luta aconteceu na madrugada de domingo, mas oficialmente o evento aconteceu no sábado.

Dobrando a vontade do próprio Dana White, quebrando as bancas, e indo contra o hype criado pela mídia, Poirier finalmente tornou-se um diamante derrubando McGregor.

E é sobre isso que vou falar para você!

Dustin Poirier quebra a banca no UFC 257

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

O UFC 257 aconteceu na Etihad Arena nas ilhas Yas, em Abu Dahbi, nos Emirados Árabes Unidos. O evento teve lutas incríveis, mas o Main Event era uma cereja em cima do bolo feito de ouro e muitos milhares de dólares. 

Principalmente com o desfecho que o próprio UFC não se preocupava em esconder.

Dana White e a propaganda do UFC deixaram bem claro, nesse último mês, para quem torciam, ao ponto de deixar o outro cara que lutaria completamente apagado. 

McGregor era o único iluminado pelo holofote da mídia e, como não poderia ser diferente, às casas de apostas embarcaram na onda. Haviam sites oferecendo de 2 até 5 vezes o valor apostado em Poirier, no caso de sua vitória.

Algumas pessoas se deram bem, certo?

Dustin Poirier derrotou Conor McGregor na metade final do segundo round após implementar o jogo correto que lhe brindou com um belíssimo nocaute técnico.

Poirier vs. McGregor

É possível dividir essa luta em três momentos diferentes: o começo, com o Conor dominando, o meio com Dustin se adaptando e o final, com o Diamante vencendo.

Em cada momento desses, a luta apresentou dinâmicas diferentes, com um ou os dois acertando ou errando – o que, cá entre nós, só deixou tudo ainda mais sinistro!

O que é Conor McGregor

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

O ex duplo campeão, dos Penas (até 66kg) e Leves (até 70kg) se tornou notório por fazer previsões sobre suas lutas e cumpri-las. Suas performances e sua confiança são características pouco presentes em outros atletas em esportes de combate como nele.

Conor é um contra golpeador eficiente. Sendo quase perfeito no uso em conjunto de potência, timing e precisão.

Seu jogo é construído para que sua mão esquerda funcione e conecte em seus adversários. Ele sempre joga chutes, rodados, altos ou baixos, para que o outro cara se mova para o lado esquerdo, o seu ponto forte.

Com uma postura elusiva, engana adversários que acreditam tê-lo em seu alcance, quando na verdade não o tem. Notorious os engana ao inclinar o corpo para frente, já que com sua base bem aberta e envergadura incomum, consegue inclinar-se e voltar o tronco para trás e ainda assim golpear seu oponente.

(Photo by Christian Petersen/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

É por isso que seus contragolpes funcionam tão bem. O adversário vai atacar achando que está na distância correta, McGregor leva seu tronco  para trás obrigando o atacante a estender seu golpe, se abrindo completamente para o cruzado de esquerda entrar – geralmente por cima do ataque do adversário, acertando-o em cheio no rosto.

Soma-se isso a força que o atacante faz para se deslocar para frente – tornando o cruzado de esquerda um golpe de encontro fortíssimo. Foi assim com José Aldo, por exemplo

Essa postura ainda o ajuda a recuar com velocidade e sair do raio de alcance dos ataques inimigos. O que costuma acontecer é que ao fazer isso, o irlandês solta alguns golpes de encontro – cruzados de esquerda preferencialmente.

Seus ataques em linha são excelentes, e geralmente causam estrago quanto acertam em cheio seus adversários. Contra Eddie Alvarez, podemos ver isso funcionando muito bem.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

McGregor também faz uso da base aberta para atacar. Mas dessa vez fazendo o movimento oposto, ele se inclina para frente estendendo seus jabs e diretos aumentando a potência desses golpes. 

Como um agressor, Conor, que tem um excelente boxe para o MMA, encurta um pouco a sua base – ainda que ela esteja bem aberta, e sempre caminha para frente, buscando pressionar seu adversário e aplicar potentes diretos. 

Notorious é muito rápido em alternar essas duas posturas, mas é mais eficiente na primeira, na de contragolpear. Apesar disso, as duas se complementam muito bem, ele ataca, causa danos, recua, aproveita o avanço do oponente e o pega com seu melhor golpe, o cruzado de esquerda de encontro.

O que é Dustin Poirier

(Photo by Mike Roach/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

O ex-campeão interino dos Leves (70kg) até metade da sua carreira dentro do UFC era um lutador visceral e pouco preocupado em se defender. Confiava nas suas mãos potentes, no volume de golpes, no seu gás, queixo duro e no alto nível de luta agarrada que tinha.

Foi isso que o fez chegar até as cabeças das divisões por onde passou, mas o também, boa parte do motivo de suas derrotas.

Poirier deixou de ser um kickboxer que se defendia com o ombro e confiava no poder de absorção e nas mãos potentes e tornou-se um atleta mais consciente, um diamante polido – não apenas por mudar de categoria de peso, mas implementando estratégia e melhorando sua técnica.

Essa mudança ampliou seu arsenal. Contribuindo não só para a melhora do seu sistema ofensivo como para o defensivo também.

Solidificou sua movimentação, permitindo-o  entrar e sair do alcance de seus adversários, para golpear e se proteger. Além de fazê-lo caminhar lateralmente o que facilitou busca ângulos e ficar menos exposto ao adversário.

(Photo by Chris Unger/Zuffa LLC)

Sua guarda foi transformada, já com o auxílio da movimentação, que agora mais fechada, trabalha tanto com o ombro, como a guarda padrão mas, aliando isso a esquivas de cabeça e tronco.

Seu boxe se tornou sua arma principal, apesar de chutes serem pontuais em suas lutas. Poirier passou a investir mais em combinações de jab, direto, cruzado e ganchos, aplicando mais volume do que potência – essa só surgindo na hora certa.

Aliando resistência física e gás bem acima da média, o diamante agora polido, passou a procurar brechas, caçar seus adversários com golpes junto às suas combinações e matá-los com volume e potência. 

McGregor Derrotado: como aconteceu?

Não sei você, mas pra mim, essa luta foi um espetáculo de técnica, estratégica e superação.

É de conhecimento geral que McGregor é um lutador potente e perigosíssimo enquanto tem energia e gás no tanque. 

Para alguns ele tem um dos melhores inicio de luta do esporte e, talvez motivados pelos espetaculares nocautes que ele aplicou em algumas de suas lutas que aconteceram ainda no primeiro round, outros, o melhor.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

O começo da luta ocorreu como o público e a mídia esperavam, Conor McGregor avançou e buscou a luta sendo o agressor – talvez motivado pela previsão de vitória em 60 segundos. Saiu-se melhor, ainda que o diamante tenha ensaiado movimentos que no decorrer do combate roubaram o holofote.

Estrategicamente Poirier – que com certeza analisou incontáveis vezes as diversas apresentações de McGregor, buscou a queda, após um finta com um overhand que confundiu o Notorious.

Surpreendentemente, Conor conseguiu defender as investidas o americano e se levantou, apenas cedendo a posição de dominância para o seu adversário na grade – pra quem dizia que o cara ia ser feito de saco de batatas por grapplers superiores, olha ai!

Provavelmente o objetivo de Poirier era manter o irlandês por baixo para, pelo menos, cortar seu ímpeto inicial que é sempre dominante e perigoso. E entre pisões, cotoveladas e ombradas trocadas por ambos, acredito que podemos dizer que ele teve êxito, ainda que de uma forma diferente da planejada.

Quando a luta saiu da grade e, a trocação estancou você pode ter reparado que o ex duplo campeão estava mais estático – eu já diria cansado e/ou frustrado. Mesmo assim o Notorious acertou seus melhores golpes, um direto de esquerda, que fez Dustin recuar, e um jab poderoso, que jogou junto de um avanço do próprio corpo, que arremessou o americano para trás.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Mas nem tudo são flores, não é mesmo? Você viu a luta, sabe o que começou a rolar constantemente nesse momento. Sim, aqueles chutes baixos, que começaram a entrar pontualmente e machucar a panturrilha de McGregor.

Algo importante é que, sempre que Dustin circulava para o lado certo, fugindo da mão de Conor, ele se saia melhor em seus ataques, porque tirava o ângulo de ataque do irlandês.

Depois de alguns, Conor que não é conhecido por disfarçar quando está ferido, começou a dar claros indícios de que a perna estava doendo – além do detalhe de estar menos móvel e mais plantado. 

Se você der um jeitinho de rever a luta, pode reparar na panturrilha direita do cara, a cada lapada, ela ta mais vermelha e inchada.

Seus golpes já não eram tão potentes, sua precisão havia diminuído, suas esquivas não eram tão rápidas e sua movimentação estava cada vez mais lenta e penosa.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC via Getty Images)

Tudo terminou em um ataque iniciado pelo próprio McGregor, uma troca próxima a grade – com Dustin se movimentando lateralmente e o irlandês tentando cercá-lo, mas já sem parte dos movimentos com a perna direita.

Há uma troca de golpes, mas a perna do irlandês falha, ele não consegue prosseguir no seu avanço e recebe um outro chute no mesmo lugar. A sua perna que já não estava aguentando o movimento anterior, após o impacto simplesmente para – na verdade ela falha por um momento.

Dustin sente o cheiro de sangue e avança para matar, depois de caçar oportunidades, encontrar as brechas. O notorious fica de costas para a grade com pouca mobilidade e recebe uma metralhadora de golpes.

O diamante derrota McGregor depois de uma sequência de vários golpes conectados em seu rosto – eu acho que o último golpe, um uper curtinho, pegou mais pelo próprio Conor não estar mais se aguentando em pé, por conta da perna, do que pelo movimento feito por Poirier.

Ninguém é invencível 

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

No rugir dos tambores, Dustin Poirier vingou-se do nocaute sofrido por ele há seis anos, e empatou a partida em 1 a 1.

Também posso afirmar que o diamante apenas mostrou para o mundo uma deficiência que o irlandês sempre teve: sua postura elusiva deixa sua perna da frente, geralmente a direita, totalmente exposta para chutes baixos.

Bastou ele aplicar esses golpes, junto a uma estratégia correta – abafar no começo e circular sempre para o lado mais fraco de McGregor, que tudo deu certo.

Certo, não podemos tirar os méritos dele por ter suportado tudo o que o notorious impôs, porque ele tentou, e tentou muito implodir o rival como fez na primeira luta. Infelizmente, com 70kg, Poirier não é mais um cara desidratado e com pouca resistência.

O que podemos tirar do primeiro nocaute sofrido por McGregor? Ninguém é invencível, às vezes seu jogo só não foi mapeado totalmente ou aquele atleta ainda não encontrou alguém com as características certas para vencê-lo.

Bom, é isso galera, espero que vocês tenham gostado dessa leitura, mesmo ela sendo longa – mas o assunto precisava ser bem trabalhado. Não deixa de nos seguir nas nossas redes sociais, belezão? Elas estão listadas aqui em baixo! 

Um abraço e até a próxima!

Rodrigo Carvalho

Leia também: Conor McGregor recebe suspensão médica

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM E NO FACEBOOK

Dustin Poirier detona Conor

(Vídeo) Dustin Poirier destrói Conor McGregor em revanche no UFC 257

No duelo mais aguardado do UFC 257 deste sábado (24), uma reviravolta marcou o confronto entre Dustin Poirier e Conor McGregor. Depois de um primeiro round melhor para o irlandês, que levava vantagem na luta em pé, Poirier voltou para o segundo round e surpreendeu ao terminar por nocaute técnico após uma sequência avassaladora.

Foi a primeira derrota por nocaute de Conor McGregor na carreira, que após a luta disse que a inatividade e golpes nas pernas dados pelo americano foram primordiais para o desfecho. O irlandês também pediu uma terceira luta.

Já Dustin Poirier, alegou que a estratégia seria ser ‘técnico’ e não ir para briga. O americano confessou ter sentido alguns golpes do ex-campeão, mas ressaltou que foi importante para que ele “mudasse” o nível para conseguir a vitória.

COMO FOI A LUTA:

Conor começou buscando emplacar os primeiros socos, mas Dustin respondeu levando o irlandês para o solo. Sem sucesso na transição do americano, o duelo voltou a ficar em pé. A luta ficou com Dustin e Conor disputando o clinche na grade, porém o duelo retornou para a trocação franca. McGregor disparava os melhores golpes até o final do round

No segundo round, Conor continuou levando vantagem na troca franca de golpes no início. Dustin tentava travar a chegada do ex-campeão disparando chutes baixos, até que em boa sequência o americano conectou potentes golpes que fizeram Conor balançar. Sem reação, McGregor virou presa fácil de Dustin que terminou a luta por nocaute técnico.

Confira o momento da vitória de Dustin Poirier sobre Conor McGregor:

VEJA TODOS OS RESULTADOS DO UFC 257

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM

Conor McGregor tranquilo

Conor deixa lado “falastrão” e prega respeito antes do UFC 257

Conor McGregor fez história no MMA ao conquistar dois cinturões de forma simultânea, além de vencer grandes lutadores. Porém, o irlandês também se destacava fora do octógono. Com um estilo peculiar, McGregor possuía um “Trash Talking” de primeira linha, e acumulava polêmicas antes de suas lutas no UFC.

Era normal presenciarmos Conor sempre exaltado e deixando um ambiente hostil para as lutas, porém, ao que tudo indica esse lado “mala” do ex-campeão parece ter chegado ao fim, ou talvez, tido uma pausa.

Em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (21), Conor mais uma vez surpreendeu e pregou respeito com Poirier. Elogiou o projeto social do americano e ainda falou sobre a crescente na carreira do adversário.

“Tenho uma garrafa de “Proper” para você, adoraria compartilhar. Ele está na direção certa. Acho que todo o seu negócio é bastante impressionante. Depois que ele perdeu para mim, há muitos anos, se ergueu, se tornou campeão e tem dado de volta muita coisa. Estou honrado de dividir o octógono com esse cara. Sei que temos esse fogo de competir que ainda está lá. Não há como negar isso, nós temos um duelo e será um incêndio, mas o respeito é admirável por esse homem na minha frente”, falou Conor.

Por sua vez, Dustin também elogiou Conor e revelou que o ex-campeão começou a fazer doações para seu projeto social.

“Não quero fazer parecer como se estivéssemos aqui massageando as costas um do outro, mas o time do Conor procurou minha fundação e eles estão começando a fazer doações para a “The Good Fight Foundation”, e temos grandes planos com isso. Então, Conor, de homem para homem, você vai ajudar muita gente com isso”, disse Poirier

O primeiro encontro entre os dois aconteceu em 2014. Em um duelo marcado por bastante provocações fora do octógono, McGregor saiu o vitorioso por nocaute ainda no primeiro round.

Leia também: McGregor afirma ter a resposta para “destruir” Khabib

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM

Max Holloway x Calvin Kattar

Max Holloway aplicou 274 golpes na cabeça de Cattar no UFC Fight Island 7

E a sonora vitória de Max Holloway diante de Calvin Kattar neste sábado (16) na Ilha da Luta em Abu Dhabi, registrou número atípicos para uma grande batalha. A vitória convincente do havaiano no UFC Fight Island 7 pode ser exemplificada com números.

Max atingiu Calvin Kattar com 445 golpes, sendo 274 apenas na região da cabeça. A região do corpo foi atingida 117 vezes, enquanto as pernas de Calvin sofreu 54 pancadas. Apesar de resistir bravamente aos ataques do ex-campeão, Kattar conectou apenas 133 golpes dos 283 que tentou.

Os número expressivos também refletiram na pontuação dos juízes com uma goleada na papeleta de (50-43, 50-43, 50-42). Holloway e Cattar levaram um prêmio de performance de “luta da noite” no valor de US$ 50 mil (R$ 264,6 mil).

Apesar de possuir duas derrotas para o atual campeão dos penas, Alexander Volkanovski, a boa performance de Holloway rendeu elogios pelo presidente Dana White, que revelou uma possibilidade concreta de acontecer a trilogia com o atual campeão.

“Hoje ele lutou contra um cara difícil que um monte de gente dizia que venceria ele. Ele foi lá e o tratou como o sexto do ranking (…) Penso que ele merece essa luta contra Volkanovski novamente”, disse Dana.

Leia também: Teste positivo para maconha não terá mais punição no UFC

SIGA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM

VEJA TODOS OS RESULTADOS DO UFC HOLLOWAY X CATTAR

Vitória, Empate e Derrota: Do Bronx, Deiveson e o UFC 256

|OPNIÃO|O UFC 256 nos presenteou com vitórias espetaculares, um empate controverso e a ascensão de Charles Oliveira.

O UFC 256

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

No dia 12 de Dezembro de 2020 o UFC 256 aconteceu em Las Vegas, Nevada, no prédio  próprio do evento, o UFC Apex. Lá, uma disputa de cinturão aconteceu – e foi incrível, a ascensão de uma nova estrela nos pesos Leves se tornou evidente para todo o mundo enquanto lendas do esporte caíram – talvez para nunca mais voltar ao palco do Ultimate.

Vamos dar uma resumida nos combates do card principal para você, leitor, que não pode assistir o evento, ou, quer saber nossa leitura desses resultados.

Um empate e Cinturão continua no Brasil!

(Photo by Mike Roach/Zuffa LLC)

Debilitados por APENAS 21 dias de preparo, corte de peso e treinamento, Deiveson Figueiredo e Brandon Moreno entregaram tudo no octógono do UFC. O resultado foi um empate majoritário e, consequentemente, o cinturão ficando com o campeão.

A luta foi tensa, do início ao fim. O Deus da Guerra apostando em golpes potentes e confiando em seu queixo e o Assassin Baby usando seus golpes alongados, volume e guarda fechada. Com direito a cada um, em seu momento, balançar pelos golpes recebidos.

Daico foi melhor em três rounds (1,2 e 5) enquanto Moreno prevaleceu nos outros dois (3 e 4).  O campeão prevaleceu enquanto foi capaz de causar danos e frear o ímpeto do desafiante com seus golpes potentes – que aos poucos foram deixando claras marcas no corpo de Moreno. Já o desafiante era eficaz no volume – se aproveitando da confiança de Figueiredo em seu queixo, conectando vários golpes na cabeça do brasileiro, que culminou em momentos tensos para ele no quarto round quando os golpes claramente se fizeram sentir.

As quedas do mexicano também foram muito presentes mas, apesar de serem efetivas, ele não conseguia manter o brasileiro no chão.

Se você está se perguntando o motivo de ter rolado um empate majoritário apesar de Daico ter vencido 3 rounds, eu te explico: houve um golpe ilegal no terceiro round (e sem entrar nos méritos da validade dos acontecimentos) um ponto foi retirado do campeão, o que levou ao resultado (47 a 47 – apesar de um dos árbitros laterias tenha dado vitória para Deiveson).

Xô zebra, a ascensão de Charles Oliveira

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

A vitória maiúscula de Charles Do Bronx aconteceu indo de encontro às casas de apostas e os palpites da maioria das pessoas (eu incluso, apesar de saber que poderia acontecer assim).

Não só maiúscula, em verdade é a MAIOR de todas para Do Bronx, que venceu aquele que era considerado o segundo peso Leve mais sinistro do UFC.

A luta ocorreu como acreditei que deveria acontecer (acessa aqui: https://esp4.com.br/mma/o-desafio-do-bronx-vs-ferguson-no-ufc-256/ que você vai entender), com Charles mostrando a supremacia de seu grappling – e digo grappling porque não é apenas JJB que ele usa, ele dominou o uso da luta olímpica e somou os dois conhecimentos para atingir esse nível. 

É complicado não falar de Tony Ferguson numa luta onde ele participa, mas há pouco o que dizer sobre ele. Resiliente, lutou até o final para não ser grampeado, quedado e finalizado – a luta transcreveu-se majoritariamente no solo, e os únicos motivos de ‘respiro’ de El Cucuy foi quando estavam de pé, onde as valências estavam quase iguais. Ferguson mostrou maior desenvoltura, mas a ameaça constante de Oliveira em derrubá-lo tornou tudo mais difícil.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

A vitória se consolidou ainda no primeiro round, quando o brasileiro derrubou com uma queda incrível. Mas foi no final do primeiro round que tudo ficou claro – Ferguson não bateu num armlock brutal de Charles, mas ao levantar demonstrou o custo disso. Dai pra frente, foram três rounds de controle e domínio total do Brasileiro.

Agora, Charlinho é o terceiro do ranking do Peso Leve (até 70kg) do UFC e só tem dois caminhos no futuro: Ou pega o campeão ou o vencedor de Poirier vs McGregor pelo título vacante.

Ascensões e Quedas

Tanto Júnior dos Santos, o Cigano e, Ronaldo Souza, o Jacaré, encontraram nessa madrugada de sábado a derrota de forma retumbante. Nocauteados em suas respectivas lutas, os dois agora podem perigar estar entre os nomes (novos nomes?) da barca dos 60 demitidos do UFC que deve sair em pouco tempo, segundo o próprio presidente, Dana White.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

O combate do peso Médio brasileiro ocorreu como de costume, lento mas com a habilidade no jiu jitsu brasileiro ainda afiados. Infelizmente, a idade pesou e com 41 um anos, Jacaré não consegue imprimir mais o ritmo e a pressão de sempre. Isso ficou claro quando o rapaz, Kevin Rolland, que fez 28 anos em Novembro e é muito grande para os 84kg (a marca do Peso Médio) conseguiu driblar as investidas de Ronaldo Souza usando pujança física e habilidade (o que também foi uma surpresa).

Jacaré optou por não tentar trocar e na primeira brecha que enxergou avançou, sem timming, nas pernas de Holland que não pode evitar a queda. Mas com cotoveladas conseguiu afastar a investida de Ronaldo e ainda teve a ousadia de buscar posições para finalizar o brasileiro em um sequência bem interessante (duas variações de triângulos muito bonitas) que Jacaré defendeu e, ainda sobre fortes golpes na cabeça, forçou a luta até a grade.

Ali, mesmo fazendo muita força, não conseguiu derrubar o americano que continuou aceitá-lo sem parar. Trocaram a dominância até que o brasileiro conseguiu, enfim, colocar Holland de costas no chão – nessa hora pensamos, agora vai fácil.

E foi, só que.. ao contrário. Holland, por baixo, atingiu golpes fortes no queixo de Jacaré que sentiu, foi se afastando, dando espaço para o adversário que ainda debaixo, aplicou um golpe poderoso que tirou o brasileiro da órbita. Dai pra frente foram mais alguns socos e um nocaute brutal. Kevin Holland com 5 lutas e 5 vitórias em 2020 e Ronaldo Jacaré com um pezinho, ou mais, fora do UFC. 

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Já o combate do peso Pesado brasileiro parecia que estava indo para um caminho melhor. Infelizmente, não foi. Junior Cigano até começou bem, media a distância, tentava contra golpear e soltava golpes pesados quando era possível.

Seu adversário estava respeitando e sentia alguns de seus golpes. Ainda assim, os chutes baixos de Ciryl Gane – campeão Francês de Muay Thai, começaram a fazer efeito no segundo round, diminuindo a velocidade e movimentação de Junior Cigano. Gane, também se aproveitou da guarda quase nula de Cigano e começou a conectar jabs, e às vezes até uns direitos, que aos poucos foram ferindo o brasileiro.

Na metade final do segundo round, Cigano foi acuado na grade depois de tomar um golpe no rosto e uma cotovelada que o fez se machucar, como de costume virou-se de lado para poder sair da situação perigosa e ai acontece: Ciryl encurtou a distância o atingiu com uma forte cotovelada na cabeça – na nuca, que o derrubou. O golpe foi dado como legal e o francês terminou golpeando o Cigano no chão.

Apesar de Dana White insistir que o golpe foi legal, fica claro, após rever o lance, que apesar de Cigano estar se virando para sair da situação, o golpe do francês foi desferido depois da movimentação começar. A luta, que deveria não ter resultado, foi dada como derrota para o brasileiro. Ciryl Gane, que nada tem a ver com isso, pois se o erro fosse apontado deveria aceitá-lo, saiu vitorioso e estreia adentrando no top 10 da categoria.

Dern vs Jandiroba – Uma vitória sofrida

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

No duelo de brasileiras (apesar de Dern ser meio americana e viver por lá) foi espetacular. Não é sempre que vemos duas meninas saindo na porrada como vimos nesse sábado!

O confronto terminou numa decisão unânime para Dern, que conseguiu conectar mais golpes e teve momentos onde conseguiu imprimir seu jogo, fazendo Jandiroba sentir seus golpes.

As duas saíram vencedoras desse combate, mas Dern apenas cresceu. Tecnicamente inferior na trocação e com o nariz quebrado – presente de Jandiroba no meio da luta, ela superou as dificuldades e venceu.

Conclusões pós UFC 256

No card preliminar houveram outras lutas; Renato Mociano foi surpreendido e, Cub Swanson mostrou que ainda é poderoso.

Mas esses foram os resultados mais interessantes do card principal.

Talvez Jacaré e Cigano sejam demitidos, mas precisamos aguardar para ver. Daico e Moreno já têm uma revanche preparada, segundo Dana White e Charles Do Bronx está a uma luta do cinturão.

O que você achou do evento? Concorda com as duas polêmicas que os juízes novamente proporcionaram?

Espero que tenham curtido a leitura, um abraço e até a próxima.

Escrito por Rodrigo Carvalho

Leia também: Após perder eleição, Rony Jason diz que vai colocar fogo em bandeira de Quixadá

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes

Jéssica Andrade: Em busca de um novo Cinturão do UFC

|OPINIÃO| UFC: Valentina Shevchenko concorda em duelar com Jéssica Andrade, a Bate Estaca, pelo Cinturão do UFC.

Cinturões em Jogo

Realizado no dia 21 de Novembro de 2020, o UFC 255, aconteceu em Las Vegas, Nevada, no UFC Apex, preparado estritamente para comportar os eventos da empresa.

Com lutas empolgantes, queda e nascimento de ícones do esporte, o evento se consagrou com duas disputas de cinturão. Deiveson Figueredo finalizou Alex Perez, o desafiante ao título dos Pesos Moscas (até 57kg) enquanto Valentina Shevchenko dominou e, venceu por Decisão Unânime (triplo 49-46) Jennifer Maia, a desafiante, pela categoria dos Pesos Moscas Femininos (Até 57kg).

Bullet domina mais uma vez no UFC 255

A quirguistanesa, detentora de, agora, 4 cinturões do Peso Mosca Feminino (categoria até os 57kg) deu novamente um show. 

Bullet, como Valentina é conhecida, venceu 4 rounds dos 5 totais imprimindo um jogo de pressão misturando entradas de quedas – muitas dessas convertidas efetivamente, e variação de golpes e ângulos. 

Sua adversária, a brasileira Jennifer Maia, foi valente e marchou para frente o tempo todo, usando sua grande resistência e força física ela conseguiu angariar um round da campeã, quando a derrubou e dominou a rival no chão levando perigo para a detentora do título por várias vezes.

Foi o primeiro round perdido por Valentina desde que se tornou campeã do maior evento de MMA do mundo.

Dana White sugere sequência

Durante a conferência pós UFC 255 Dana White, o presidente do evento, declarou que enxergava Jéssica ‘Bate Estaca’ Andrade como uma provável próxima adversária de Bullet.

“Eu acho que Shevchenko vs (Jéssica) Andrade é uma luta muito divertida. O que eu amo nessa luta é que Shevchenko está em um ponto em sua carreira onde ela precisa de um oponente que as pessoas acham que realmente tem uma chance de vencê-la, e acho que nós todos sabemos que Andrade pode”, disse Dana White.

A declaração gerou uma resposta quase imediata da campeã incontestável do Peso Mosca Feminino, que ao ser perguntada sobre a declaração respondeu que apesar de não apreciar o casamento sugerido faria a luta.

“Eu aceito qualquer adversária que colocarem na minha frente. Mas acho que o mais justo seria Jessica Bate-Estaca e Lauren Murphy se enfrentarem, mas não quero esperar tanto tempo, porque elas lutariam daqui a alguns meses, e eu enfrentaria a vencedora após mais alguns meses. Não pretendo esperar tanto, então por que não enfrentar Jéssica? Por mim, tudo bem”, cravou Valentina ao repórter do Canal Combate que a entrevistava

Análise Resumida de Jéssica Bate Estaca” Andrade

(Photo by Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images)

Antes de falarmos sobre técnica e habilidade, é importante comentar sobre um detalhe importante sobre a carreira e sobre a própria Jéssica. Ela é forte. E é bruta. Com seus 1,56 de altura e 1,57 de envergadura a moça competia contra atletas pelo menos 10 cm mais altas, no Peso Galo (até 61kg). Pois é, vocês conseguem imaginar ela de frente contra lutadoras do porte de Holly Holm, Amanda Nunes e Ronda Rousey? Pois é, eram da mesma categoria. E mesmo lá, quando era menor, com menor alcance e mais leve, ela ainda se destacava por esse detalhe; sua força bruta ímpar. 

Jéssica só mudou de categoria depois de sete lutas batendo 61kg, com um retrospecto de 4 vitórias e 3 derrotas – dados que podemos considerar algo positivo, dada as diferenças de alcance, tamanho e peso.

Em 2016 tudo mudou. com a criação da categoria Peso Palha (até 52kg), Jéssica encontrou sua categoria, onde todo mundo era do seu tamanho e ela, reinaria usando o que tem de melhor: sua brutalidade e força.

Lá, nos Palhas Feminino, Jessiquinha fez 11 lutas e só foi derrotada por detentoras de título, por desafiantes ou por ex campeãs. Isso quer dizer que ela tem 3 derrotas e 8 vitórias, sem contar que conquistou o cinturão da categoria. 

A força é a base do seu jogo, mas ele é aliada a uma resistência fora do comum. Bate Estaca é faixa preta de JJB e isso se reflete muito na sua forma de lutar. Ela marcha para frente lançando golpes circulares, geralmente cruzados, que se não desmontam seu alvo o faz se abrir para que ela possa aplicar suas quedas emblemáticas. Sempre buscando alguma variação de um single leg, ela arremessa suas adversárias no chão ou pelo menos as derruba.

Ainda assim, após suas duas últimas lutas, Rose Namajunas e Kayltin Chookagian, ficou claro que ela conseguiu evoluir ainda mais no campo da trocação. E isso se enfatizou, principalmente, após a derrota para Namajunas, que além de ser um decisão dividida (Split Decision), para muitos, ela superou sua adversária com um eficiente jogo de trocação. 

Em resumo, Bate Estaca, funciona como um tanque de guerra, marchando até seu alvo e o brutalizando, seja com cruzados poderosos ou com quedas explosivas – que geralmente surgem próximo a grade, deixando suas adversárias abertas para guilhotinas, mata leões e armlocks devastadores

Análise Resumida de Valentina “Bullet” Shevchenko

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

O arsenal de técnicas da campeã dos Moscas Feminino do UFC é absurdo, mas quando você descobre que se trata de uma multi campeã de Kickboxing e Muay Thai (sério são 8 títulos em quatro pesos diferentes num período de 11 anos + 9 medalhas de ouro pela IFMA além de ser campeã do WMC, dentro do Muay Thai), além de ser faixa preta, de 3º dan em Taekwondo, percebe o quão habilidosa e técnica ela pode ser fica difícil de imaginar alguém, em TODO o UFC que tenha mais gabarito que ela dentro desse quesito.

Isso mesmo, você leu corretamente: fica difícil de imaginar alguém entre homens e mulheres, que seja mais gabaritado e técnico que ela quando o assunto é trocar porrada insanamente. 

Claro, nesse momento você – Leitor, deve se perguntar “Ok, ela é um esculacho na trocação, mas no chão deve ser uma faixa branca, né?”

E é ai que você se engana, meu caro amigo leitor. O chão da campeã foi e, ainda é, muito bem construído e desenvolvido pelo pessoal da Tiger Muay Thai. Pode não parecer pelo retrospecto recente de Bullet, que é faixa preta de Judô, pois desde que pegou o cinturão dos Moscas, não dá o ar da graça nessa área, mas no UFC contabiliza duas finalizações apenas. Mas sua carreira começou bem antes disso e finalizar suas adversárias era um dos caminhos mais comuns para a vitória – Valentina tem 5 vitórias por finalização e 5 por nocaute fora do UFC.

Depois de saber disso tudo, acho que você agora pode ter uma certeza, certo? Bullet é super eficiente e pode vencer de qualquer forma!

Exercício de Imaginação: Jéssica Andrade vs. Valentina Shevchenko

Consigo imaginar um cenário interessante. Devido ao jogo que Jessiquinha precisa impor, principalmente numa categoria onde tende a ser menor que todas suas adversárias, ela vai precisar se aproximar.

Valentina por sua vez, é maior, mas técnica e tem experiência em manter adversárias perigosas longe – ou perto a ponto de derrubá-las.

Sabendo disso acredito que a campeã deve tomar uma de duas atitudes: 1) pontuar a distância, se movimentando com timing, entrando e saindo, sempre deixando golpes e punindo a Andrade a cada movimento errado. 2) Como fez contra Jennifer Maia, a campeã encurta e converte quedas usando jogadas de corpos, muito comuns no Judô, para dominar a adversária no chão sem correr tantos riscos. 

O primeiro cenário é o mais perigoso para a possível desafiante, pois Jéssica não lida bem com atletas que a toquem muito e ficam fora do seu raio de alcance. O tamanho e a velocidade da campeã é uma barreira difícil de ser quebrada e, sua movimentação torna isso ainda pior.

Andrade vai precisar engolir muitos golpes antes de se aproximar o suficiente para começar a pensar em contra golpear. Valentina pode não ter o mesmo punch que a brasileira, mas o acúmulo de danos e sua precisão superam a força bruta rapidamente. Nesse cenário não acredito que haja uma saída que não atingir uma mão certeira na atual campeã e conseguir deixá-la realmente ferida com isso. Mas é essa a vantagem da força bruta, certo? Podemos acreditar. Dito isso, 70 a 30.

Agora, quando falamos do segundo cenário as coisas mudam um pouco. Vimos, também contra Jennifer Maia, que Valentina não lida TÃO bem contra adversárias fortes e que imprimem bem esse tipo de jogo. Ao se aproximar a campeã encurta o espaço e dá a desafiante aquilo que ela precisa. É nesse momento que Jessiquinha pode aplicar o bom e velho estrago de seus cruzados curtos, mesmo que pare ela sejam alongados, como overhands.

A brasileira também pode ser capaz de reverter a queda na base da força + técnica, colocando a quirguistanesa por baixo e deixando-a em maus momentos. Por cima, ou com o domínio das ações numa luta agarrada – talvez indo para a grade, nossa compatriota poderia por o que tem de melhor para fora e isso seria um enorme diferencial contra a atual Campeã. Dito isso, tomando esse cenário como possível, para mim o combate seria 55 a 45 para Valentina Shevchenko que ainda precisaria cometer alguns erros e Jéssica que precisaria ser perfeita aproveitando esses erros, além de implementar impecavelmente seu jogo.

Conclusão Final

Olha, é difícil de imaginar essa luta e não pensar “Rapaz, que porradaria insana das boas”.

A luta não está nem marcada ainda mas eu já considero demais! E acho que vocês também devem pensar assim.

Eu acho que a Valentina deve vencer, mesmo com os dois cenários que apresentei, mas o segundo é especialmente plausível que a Jessiquinha abocanhe outro cinturão para sua carreira.

Mas abro esse espaço para vocês: concordam comigo? Discordam? O que acham? Comentem e não deixem de seguir nossas redes sociais, lá você encontra vários outros artigos maneiros sobre MMA, dai podem curtir e compartilhar com seus amigos que gostam de ver uma boa pancadaria dentro das regras do nosso tão querido MMA.

Um abraço, espero que tenham curtido essa análise e até a próxima!

Escrito por Rodrigo Carvalho

Leia também: Após perder eleição, Rony Jason diz que vai colocar fogo em bandeira de Quixadá

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes

Podcast TSM

#32 Podcast : E agora, Borrachinha?

Eles estão de volta! A turma do Tudo Sobre MMA trouxe a prestação de contas do UFC 253, evento que trouxe a derrota frustrante de Paulo Borrachinha para seu maior rival, o campeão Israel Adesanya. Também comentaram sobre o nocaute avassalador do novo campeão meio-pesado Jan Blachowicz e a análise pré-luta do UFC Fight Night Holm vs Aldana, que rola nesse sábado 3 de outubro.

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes

Apesar de já ter passado, o UFC 253 marcou apenas mais um capítulo na rivalidade entre Borrachinha e Adesanya. Uma provocação do nigeriano logo após a interrupção do árbitro, dando uma “sarrada” em Borrachinha mexeu com o brasileiro e sua equipe.

O mineiro pediu uma revanche pois achou “desrespeitoso” a atitude do campeão. Adesanya desde a vitória bombardeou sua rede social com posts de provocações. Apesar do clima deles não ser bom há algum tempo, a relação ficou mais conturbada após Paulo Borrachinha em encarada depois da pesagem oficial presentear o nigeriano com uma faixa-branca, o que deixou o campeão irritado.

Mas e agora, o que vem pela frente? Paulo Borrachinha vai conseguir a revanche? Ou o brasileiro terá que fazer um limpa no top 5 para pensar em uma nova disputa? Nossa equipe com aquele jeito descontraído como vocês conhecem analisaram o que deve ocorrer daqui em diante em mais um episódio do podcast.

ASSISTA AO PODCASDT #32:

Veja nossas últimas notícias

Colby vence Woodley

Colby Covington vence Tyron Woodley após “desistência” no UFC Vegas 11

Aconteceu neste sábado (19) o UFC Vegas 11. E na luta principal da noite, pela divisão dos meio-médios, Colby Covington levou a melhor sobre o ex-campeão Tyron Woodley por nocaute técnico no quinto round, após desistência de Woodley depois de sentir uma lesão na região da costela.

Covington levou a melhor durante toda a luta. O “falastrão” foi superior e dominou as ações do combate ao pressionar Woodley com um wrestling de altíssimo nível, além de esbanjar na condição física durante os quase cinco rounds que o confrontou durou.

A luta: O duelo começou eletrizante. Covington rapidamente na primeira tentativa já conseguiu quedar Woodley. Covington pressionou o ex-campeão, porém Woodley conseguiu voltar o combate em pé. Colby voltou controlando o centro do octógono e não dava espaço para Woodley, que não conseguia fugir do jogo de grade do adversário.

No segundo round, Woodley tentou voltar mais ativo, porém ao tentar desferir chutes baixos Covington rechaçou o ataque aplicando golpes no rosto do ex-campeão que novamente começou a andar de costas para a grade. Colby tentou agarrar as pernas de Tyron, porém foi afastado. Colby continuo controlando as ações do octógono, porém não conseguia contundência nos golpes e Woodley também pouco fazia.

Na terceira etapa, Colby movimentava mais e conseguia aplicar alguns chutes no abdômen de Woodley. O jogo forte de grade de Colby fazia a diferença e Woodley não conseguia fugir do raio de ação. O quarto round também não foi diferente. Covington demonstrando seu wrestling poderoso e Woodley totalmente entregue na posição por baixo, sendo presa fácil para ataques com socos e cotoveladas.

Na quinto e último round, Covington tratou de levar o duelo novamente para o solo, por baixo, Woodley tentou pressionar o pescoço de Colby, porém o ex-campeão acabou fazendo uma desistência verbal após acusar uma lesão possivelmente na costela.

MAIS UMA NA CONTA!

Se tem um lutador que vem despertando os olhos do mundo do MMA nos últimos meses ele se chama Khamzat Chimaev. O peso-médio mais uma vez surpreendeu com uma performance avassaladora.

Foram necessários apenas 17 segundos de luta para a nova sensação do UFC vencer o veterano Gerald Meerschaert por nocaute. Chimaev amplia seu cartel invicto para nove vitórias, sendo a terceira no Ultimate. Olho no sueco!

Brasileiros dão show!

Johny Walker foi o último brasileiro em ação em Vegas. O peso-meio-pesado protagonizou uma das lutas mais emocionantes da noite. Depois de um péssimo começo, com Ryan Spann levando a melhor na trocação franca, o americano partiu na tentativa de aplicar um double-leg, mas Walker foi esperto e se defendeu da posição com cotoveladas perigosas e acabou liquidando a luta por nocaute ainda no primeiro round. Walker se recupera da recente sequência negativa de duas derrotas.

A “meia-brasileira” Mackenzie Dern mostrou o poder do jiu-jitsu brasileiro. Com uma performance para lá de dominante, derrotou a iraniana radicada no Canadá, Randa Markos, ainda no primeiro round com uma finalização por chave de braço. Foi a nona vitória da carreira de Mackenzie. Ela possui apenas uma derrota em seu cartel, quando foi superada pela brasileira Amanda Ribas.

E quem abriu a noite brasileira foi Mayra Bueno, que voltou ao caminho das vitórias. Com uma atuação segura, emplacou a quinta vitória por finalização na carreira ao finalizar Mara Romero Borella por chave de braço ainda no primeiro round.

RESULTADOS DO UFC VEGAS 11:

CARD PRINCIPAL:
Peso-meio-médio: Colby Covington venceu Tyron Woodley por nocaute técnico (desistência) aos 1m19s do quinto round
Peso-meio-médio: Donald Cerrone x Niko Price foi declarado empate majoritário (29-27, 28-28, 28-28)
Peso-médio: Khamzat Chimaev venceu Gerald Meerschaert por nocaute (soco) aos 0m:17s do primeiro round
Peso-meio-pesado: Johnny Walker venceu Ryan Spann por nocaute (cotoveladas) aos 2m:43s do primeiro round
Peso-palha: Mackenzie Dern venceu Randa Markos por finalização com um armlock aos 3m:44s do primeiro round
Peso-médio: Kevin Holland venceu Darren Stewart por decisão dividida dos juízes (29-28, 28-29, 29-28)


CARD PRELIMINAR :
Peso-mosca: David Dvorak venceu Jordan Espinosa por decisão unânime dos juízes (30-27, 30-27, 30-27)
Peso-pena: Damon Jackson venceu Mirsad Bektic por finalização com uma guilhotina aos 1m:21s do terceiro round
Peso-mosca: Mayra Bueno venceu Mara Romero Borella por finalização (chave de braço) aos 2:29 do primeiro round
Peso-galo: Jessica-Rose Clark venceu Sarah Alpar por nocaute técnico (socos) aos 4:21 do terceiro round
Peso-galo:Randy Costa venceu Journey Newson por nocaute (chute alto) aos :41 do primeiro round
Peso-galo: Andre Ewell venceu Irwin Rivera por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)
Peso-pena: Darrick Minner venceu TJ Laramie por finalização (guilhotina) aos :52 do primeiro round
Peso-mosca: Tyson Nam venceu Jerome Rivera por nocaute (socos) aos :34 do segundo round

Veja nossas últimas notícias

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes

Phil Davis venceu Lyoto

Phil Davis vence Lyoto Machida em revanche no Bellator 245

Reencontro na nova casa! Depois de um primeiro encontro no UFC Rio 4 em 2013, o americano Phil Davis e o brasileiro Lyoto Machida fizeram a revanche neste sexta-feira (11) pelo Bellator 245 na “Mohegan Sun Arena”, em Uncasville (EUA). No primeiro duelo, Davis saiu vitorioso por decisão unânime.

E o segundo confronto não foi muito diferente do primeiro. Phil Davis mais uma vez sobressaiu diante de Machida e dessa vez por decisão dividida ampliou a vantagem sobre o brasileiro.

Veja nossas últimas notícias

A luta: Lyoto Machida começou usando a distância, enquanto Phil buscava encontrar o brasileiro encurtando a distância. Davis atacou o carateca com um chute alto, e Lyoto revidou na mesma moeda. Apesar de um primeiro round tenso, os dois lutadores não foram efetivos e se estudaram em boa parte do tempo.

No segundo round, o confronto continuou parelho. Machida sempre usando a distância enquanto Davis tentava a aproximação. O americano atingiu o brasileiro com um chute alto, que fez Machida andar para trás. Depois Phil conseguiu garantir a vitória do assalto depois de agarrar as pernas e levar o brasileiro para o solo.

Na terceira e última etapa, o embate seguiu o mesmo roteiro. Phil Davis andava mais para frente e Lyoto marcava o posicionamento do americano e mantinha a distância para atacar no contragolpe.

Em decisão oficial dos juízes laterais, Phil Davis saiu o vitorioso por decisão dividida. Com o triunfo, o americano vence a terceira seguida e se aproxima de uma nova disputa de cinturão. Já o brasileiro Lyoto Machida, sofre o segundo revés consecutivo na nova casa.

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes

Exclusivo: Talita Bernardo assina com o Taura MMA

Evento que vem ganhando força no cenário do MMA mundial, o Taura MMA segue ampliando seu plantel de lutadores.

Conforme anunciou o CEO da organização, Djonatan Leão em live no instagram do “Tudo Sobre MMA”, a brasileira Talita Bernardo é mais um reforço da organização.

O contrato é de três lutas e a estreia ainda não tem data e local definido. A peso-galo chegou no Ultimate em 2017 e encerrou sua passagem em maio de 2019. Foram quatro lutas na organização, três derrotas e uma vitória.

Em seu cartel profissional, Talita Bernardo possui seis vitórias e quatro derrotas. Além de Talita, o Taura MMA já anunciou vários nomes conhecidos do MMA mundial, como: Renan Barão, Antônio Pezão, Rousimar Toquinho, Willian Patolino, Guto Inocente, Bruno Korea, Rick Monstro, Fábio Maldonado e Serginho Moraes, entre outros nomes.

Ainda na live, Djonatan revelou detalhes do futuro do Taura MMA. O evento terá quatro eventos até o final do ano e planeja no mínimo 15 eventos em 2021 além de já possuir um pré-calendário para 2022.

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes

Bethe Correia é demitida do UFC

Chega ao fim a passagem de Bethe Correia no UFC. Conforme noticiou o site MMA Fighting, a brasileira e o americano Evan Dunham foram dispensados pela organização presidida por Dana White.

Em seu cartel profissional, Bethe acumula 11 vitórias, cinco derrotas e um empate. Sua fase no Ultimate estava longe de ser a melhor.

Foram apenas duas vitórias nas últimas oito lutas. Sua última aparição no octógono aconteceu no dia 25 de julho desse ano, onde saiu derrotada em duelo diante de Pannie Kianzad na decisão unânime.

Bethe chegou a disputar o cinturão dos galos depois de emplacar três vitórias consecutivas. A atleta brasileira acabou superada pela americana Ronda Rousey por nocaute no UFC 190, no Rio de Janeiro em 2015.

Evan Dunham deixa o Ultimate após uma passagem de um pouco mais de 10 anos.

O experiente lutador viveu seu melhor momento no evento de 2016 à 2017 em que chegou a conseguir uma sequência de quatro triunfos consecutivos.

Após o empate com Beneil Dariush, o americano de 38 anos sofreu duas derrotas consecutivas, contra Olivier Aubin-Mercier e Francisco Massaranduba e anunciou uma aposentadoria do esporte.

Em 2020, Dunham retornou ao esporte e novamente sentiu o gosto amargo da derrota ao ser finalizado pelo brasileiro Herbert Burns no UFC 250 em junho.

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes