Tag: MMA

Gleison Tibau é demitido do UFC

Mais um lutador brasileiro é desligado da maior organização de MMA do mundo, dessa vez, Gleison Tibau foi cortado. O atleta potiguar fez a sua última luta no UFC em janeiro, onde enfrentou e perdeu para Desmond Green. O ‘Tibau’, na ocasião, foi vencido por decisão unânime dos árbitros.

Recentemente, outro brasileiro tomou o mesmo rumo que Gleison Tibau. O Vitor Miranda, por meio de suas redes sociais, anunciou a sua demissão da organização. Além disso, ‘Vithai’ usou seu canal para falar sobre o ocorrido (Confira). O histórico de tolerância do UFC com derrotas consecutivas é bastante conhecido. Tal fato foi determinante para o desligamento de ambos os atletas.

Leia também
Dana White revela possibilidade da saída de Eddie Alvarez do UFC
Exclusiva: Gilliard Paraná fala sobre equipe, último revés de Jéssica e recuperação de Priscila Pedrita
Aaron Pico enfrenta Leandro Higo no Bellator 206

Gleison Tibau nunca foi campeão do UFC, mas no entanto, é detentor de um recorde dentro do Ultimate. Sendo contratado desde o UFC 65, o lutador natural do Rio Grande do Norte é o brasileiro que mais vezes lutou no octógono do UFC. Ao longo dos 12 anos como funcionário da organização, foram ao todo 28 combates realizados pelo mesmo.

O começo do fim foi no UFC 184, onde foi finalizado por Tony Ferguson e deu início a sequência negativa de quatro revezes. Nesse meio tempo entre as citadas derrotas, ainda veio a queda no exame antidoping da USADA, junto a condenação e a suspensão do Gleison Tibau.

Em conversa com o portal Ag.Fight, o lutador reconheceu a má fase, mas mesmo assim, lamentou a sua demissão. Tibau declarou estar chateado e abalado com o ocorrido.

— A gente fica chateado. Foram 12 anos na organização e sempre salvando card. Recebi muita luta com uma ou duas semanas (de antecedência). Fiquei abalado, e aí caiu a ficha. – Disse o lutador.

Carreira do Gleison Tibau

Profissional de MMA desde o ano de 1999, começou lutando no interior do Rio Grande do Norte, onde logo se destacou. Após isso, foi expandindo para o nordeste, o restante do Brasil e iniciou a carreira internacional.

Seu vinculo com o UFC se iniciou no ano de 2006, onde perdeu para Nick Diaz na estreia dentro da organização. Após perder para Ferguson, venceu Abel Trujilo no octógono, mas pela condenação do doping, o resultado reverte-se em derrota.

Foto: Jason Silva-USA TODAY Sports

LFA 47: Damon Jackson brutaliza Jennerman e fatura cinturão; Patolino é finalizado

Foi realizado na noite da última sexta-feira (10) no The Bomb Factory em Dallas, Texas, nos Estados Unidos, a 47ª edição do Legacy Fighting Alliance que contou com uma disputa de cinturão interino e teve um brasileiro ex-UFC em seu card.

Na luta principal do LFA 47 o norte americano ex-UFC Damon ‘The Leech’ Jackson, aos 33 segundos do segundo assalto de luta, conectou um lindo overhand de direita que fez seu compatriota Nate ‘Nasty’ Jennerman sucumbir. Com a vitória, Jackson bateu o recorde de maior número de vitórias dentre todo o plantel de atletas do Legacy Fighting Alliance com seis triunfos, sendo cinco consecutivos, além de tornar-se campeão interino da categoria dos pesos meio-médios da franquia, anotando sua décima sexta vitória como profissional, enquanto ‘Nasty’ teve de amargar sua quarta derrota.

No co-main event, Levi Mowles anotou sua décima vitória no MMA ao finalizar Charles Cheeks III com um justo mata-leão com 17 segundos também no segundo round. Cheeks sofreu seu sétimo revés no cartel.

Único brasileiro no card, o ex-UFC e finalista do TUF Brasil 2 William ‘Patolino’ lutou pela primeira fora do Brasil desde que foi dispensado pelo Ultimate e não se deu bem ao ser finalizado pelo norte americano Ramiz Brahimaj com uma guilhotina na metade do segundo round. Patolino sofreu sua quarta derrota como profissional enquanto Ramiz anotou sua sétima vitória, recuperando-se do revés para Evan Cuts no LFA 4.

Confira abaixo os resultados completos do LFA 47: Jackson vs. Jennerman:

  • (ci) Damon Jackson derrotou Nate Jennerman por nocaute (soco) aos 0m:33s do segundo round;
  • Levi Mowles derrotou Charles Cheeks III por finalização com um mata-leão aos 0m:17s do segundo round;
  • Ramiz Brahimaj derrotou Willian Patolino por finalização técnica com uma guilhotia aos 2m:34s do segundo round;
  • Bilal Williams derrotou Sean Spencer por nocaute tecnico (socos) aos 0m:58s do segundo round;
  • Valerie Soto derrotou Cristina Crist por decisão unânime dos juízes;
  • Eddie Brown errotou Elijah Johns por decisão dividida dos juízes;
  • Evers Anderson derrotou Devin Miller por decisão dividida dos juízes;
  • Xavier Franklin derrotou Christopher Williams por nocaute (soco) no primeiro round;
  • Johnny Smith derrotou Darren Whitney por finalização com um brabo choke no terceiro round;
  • Fernando Duran derrotou Josael Fuentes por nocaute técnico (socos) no terceiro round.

Gravações do DWTNCS Brasil começam nesta sexta; confira os cards

Quem acompanha verdadeiramente o MMA, já conhece o Dana White’s Tuesday Night Contender Series, um pequeno evento promovido pelo presidente do UFC Dana White, e, que, visivelmente, leva o nome do mandachuva da maior franquia do esporte no mundo e que, para alegria dos atletas tupiniquins, terá a sua versão brasileira para ‘garimpar’ novos talentos.

O DWTNCS Brasil, assim como a versão global da pequena franquia de Dana White, também será realizado na Academia do The Ultimate Fighter (TUF) em Las Vegas, Nevada, nos Estados Unidos e todos os atletas brasileiros escalados para competirem em busca de um contrato com o UFC já estão desde o início da semana alojados em hotéis na ‘cidade do pecado’ e, claro, se preparando para suas respectivas lutas.

Ao todo serão três episódios, com um total de cinco lutas em cada card, e terá transmissão semanal do Canal Combate à partir do dia 24 deste mês de agosto, no dia 25 pela Rede Globo (com início à 1 da manhã) e pelo SporTV (sem horário revelado).

No primeiro episódio, o card será liderado pelo peso pesado ex-Bellator Augusto Sakai que irá encarar o invicto Marcus Conrado. No segundo, o peso meio-pesado Leonardo ‘Cabeção’ irá enfrentar o ex-UFC Márcio ‘Lyoto’ e no terceiro e último, Thiago Moisés irá bater de frente com Gleidson Cutis.

Outro lutador que inclusive já teve passagem pelo octógono mais famoso do planeta também foram convocados para participarem do DWTNCS Brasil, como no caso do paraense Henrique ‘Frankestein’, que foi demitido após sofrer uma sequência de quatro reveses consecutivos.

Outros grandes nomes também estão no ‘cast’, como o da invicta cearense Mabelly Lima, André Muniz ‘Sergipano’, Raulian Paiva Allan ‘Puro Osso’, Mayra ‘Sheetara’, Gustavo Gabriel e Sarah ‘A Treta’ Frota.

Datas de gravações e exibições do DWTNCS Brasil:

O primeiro episódio será gravado nesta sexta-feira (10) e a transmissão como já destacado acima, será no dia 24/08 no Combate, 25/08 na Rede Globo e 27/08 no Sportv. O segundo episódio será gravado no sábado (11), com transmissão do Combate no dia 31/08 e SporTV no dia 03/09 e o terceiro e último episódio também será gravado no sábado (11), com transmissão do Combate no dia 07/09, feriado de Independência, dia 08/09 na Rede Globo e 10/09 no SporTV.

Confira abaixo todos os card’s completos do DWTNCS Brasil:

DWTNCS Series Brasil – Temporada 1 – Episódio 1: Sakai vs. Conrado:

  • Peso pesado: Augusto Sakai vs. Marcus Conrado;
  • Peso-palha: Maiara “Kong” Alves vs. Sarah “A Treta” Frota;
  • Peso médio: Diego “Gaúcho” Henrique vs. Antônio Arroyo;
  • Peso-galo: Gustavo Gabriel vs. Rogério Bontorin;
  • Peso-galo: Mayra “Sheetara” Silva vs. Mayana Kellen.

DWTNCS Series Brasil – Temporada 1 – Episódio 2: Cabeção vs. Lyoto:

  • Peso médio: Leonardo “Cabeção” Guimarães vs. Márcio “Lyoto” Alexandre;
  • Peso-palha: Marina Rodriguez vs. Maria Oliveira;
  • Peso meio-pesado: Henrique “Frankestein” vs. Johnny Walker;
  • Peso-mosca: Taila Santos vs. Estefani Almeida;
  • Peso médio: André Muniz “Sergipano” vs. Bruno Assis.

DWTNCS Series Brasil – Temporada 1 – Episódio 3: 

  • Peso-leve: Thiago Moisés vs. Gleidson Cutis;
  • Peso-galo: Gisele Moreira vs. Dayana Silva;
  • Peso-galo: Mabelly Lima vs. Luana Carolina;
  • Peso meio-pesado: Vinicius “Mamute” Alves vs. John Allan;
  • Peso-mosca: Allan “Puro Osso” Nascimento vs. Raulian Paiva.

Exclusiva: Gilliard Paraná fala sobre equipe, último revés de Jéssica e recuperação de Priscila Pedrita

Após conversar com Jéssica Andrade, a Tudo Sobre MMA entrevistou com Exclusividade Gilliard Paraná, líder da Paraná Vale-Tudo. O responsável pelo camp da ‘Bate-Estaca’, Priscila Pedrita e outras várias jóias do MMA falou sobre sua equipe promissora. Além disso,  o mestre contou da estratégia para o UFC 228, comentou sobre o revés de Jéssica Andrade frente a Joanna e deu boas notícias sobre a recuperação de Pedrita.

A Paraná Vale-Tudo vem se destacando em escala nacional e internacional. A equipe de Gilliard Paraná vem vencendo inúmeras competições e consagrando novos atletas. Como treinador, fez questão de ressaltar a força do seu time citando nomes de peso na atualidade.

— Nos últimos anos, estamos nos destacando bastante com nosso time feminino. As nossas últimas maiores conquistas, é a possibilidade da Jéssica Andrade disputar um cinturão novamente, a inserção da Priscila Pedrita no UFC também é algo muito valioso também. A Jéssica Delboni, tem um cartel 7-0, vai estrear no Invicta FC agora, e a Maria de Oliveira que luta agora dia 9 de agosto em Las Vegas. A Maria de Oliveira foi semi-finalista do Rizin, lá no Japão, agora tem uma nova oportunidade no evento do Dana White (Contender Series).- Disse o treinador.

Como de praxe, uma equipe que faz frente em campeonato é, geralmente, celeiro de novos atletas. Além de destacar os nomes já consagrados, enfatizou também os nomes dos candidatos a astros das artes marciais vindos da PRVT. Além disso, destacou que sua equipe, mesmo competindo em modalidades especificas, tem como foco o MMA.

— Nós lutamos em todas as modalidades, mas nosso foco é no MMA. Mesmo quando vamos lutar só Jiu-Jitsu ou boxe, não ficamos só treinando um ou outro. Seguimos treinando MMA e competimos modalidades especificas. A Paraná Vale-Tudo tem agora uma safra boa para os próximos anos, como Vinicius ‘Sorriso’ (8-1), temos Kethelin ‘Poncahontas’, menina de 19 anos que já vem se destacando. Clarisse Aquiles, tem 19 anos, já lutou Muay Thai 16 vezes e venceu todas, inclusive na Tailândia, estreou agora com vitória no MMA. – Completou Gilliard.

Leia também
Vitor Miranda é demitido do UFC
Georges St. Pierre sinaliza retorno contra o vencedor de Khabib x Conor
Bellator divulga chaveamento de torneio dos meio-médios

Em uma análise do combate de Jéssica Andrade contra Karolina Kowalkiewicz, Gilliard Paraná fez uma projeção bastante ousada. Assim como a lutadora confirmou que ia apostar na luta em pé, o treinador reafirmou o foco para o nocaute. Essa luta acontecerá no dia 8 de setembro, no UFC 228, em Dallas, Texas, nos Estados Unidos.

— Nos já estamos com a luta fechada contra a Karoline, vamos lutar em setembro no UFC 228. Vamos para essa luta para nocautear, não temos plano de finalizar, queremos o nocaute. Testar a Jéssica Andrade na área da adversária. Claro que se durante a luta, ficar ruim para Jéssica, aí vamos tentar colocar a luta para baixo, as a ideia realmente é nocautear. – Declarou o mestre.

Gilliard Paraná também analisou o último revés da Jéssica Andrade, que foi frente a Joanna Jędrzejczyk na disputa pelo cinturão. O treinador declarou que Jéssica lesionou-se semanas antes da luta e que ficaram apreensivos pela primeira luta de cinco rounds dela. Além disso, o líder da Paraná Vale-Tudo contou que em uma revanche, a luta séria bastante diferente.

— Na Luta da Jéssica com a Joanna, não é dando desculpas, mas ela se machucou nas últimas semanas (lesão na clavícula). Sendo outra atleta, nem iria lutar, mas nós mesmo assim fomos lá lutar, mesmo lesionada. Era a primeira vez que lutávamos cinco rounds, ficamos apreensivos, nos primeiros rounds, eu falei para ela ir com calma. Mas não é característica da Jéssica lutar com calma, então isso atrapalhou um pouco, não conseguimos o que queríamos fazer. Numa nova luta conta a Joanna, se acontecer, agora temos certeza que Jessica aguenta os cinco rounds, se Deus quiser, no camp não haverá lesão nenhuma e com certeza será outra luta. Podemos até não ganhar, mas pode ter certeza que a luta será outra. – Explicou Gilliard.

Em caso de vitória sobre Karolina Kowalkiewicz, Jéssica Andrade fica muito próxima de uma nova disputa de cinturão. Gilliard Paraná analisou uma provável luta contra Rose Namajunas, atual campeã do peso palha.

— Contra a Rose Namajunas, o ponto forte da Jéssica para esse combate seria a parte de Grappling. Botar para baixo e tentar finalizar, vejo uma luta mais dessa forma. – Garantiu o treinador.

Já finalizando, o treinador falou sobre a recuperação de Priscila Pedrita. As suspeitas era para que ela não lutasse mais no ano de 2018 após lesão no joelho. Mas em entrevista para o Tudo Sobre MMA, confirmou que deveria voltar ainda este ano. Foi exatamente o que confirmou Gilliard Paraná, dando boas notícias sobre a recuperação da atleta.

— Em relação a Pedrita, ela está com uma recuperação muito boa, já esta começando a treinar. A previsão para ela voltar a lutar é o final deste ano. Vamos tentar uma luta para ela em dezembro de 2018 e, se tudo continuar dando certo, ela deve retornar ainda esse ano. – Encerrou o líder da PRVT.

Foto: Mike Roach/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Exclusiva: Jéssica Andrade fala sobre cinturão e revanche contra Joanna

A brasileira Jéssica Andrade, conhecida também por ‘bate-estaca’ está de luta marcada para o UFC 228 (ver card). Sua adversária para o dia 8 de setembro, será a polonesa Karolina Kowalkiewicz, quarta colocada do Ranking. Essa edição do Ultimate Fighter Championship acontecerá em Dallas, no Texas, Estados Unidos.

Entrevista exclusiva de Jéssica Andrade para o TUDO SOBRE MMA na integra:

Jéssica Andrade fez sua última luta em fevereiro deste ano, quando venceu Tecia Torres, somando sua segunda vitória consecutiva. Para enfrentar Karolina, a ‘bate-estaca’ contou sua expectativa para a luta. Além disso, declarou que não irá se preservar para uma luta segura, a fim de engrenar sua terceira vitória, mas sim, apostará no seu jogo em pé.

— Minha expectativa é para uma luta muito boa. Quero apostar na luta em pé, a Karolina é do Muay Thai e, vou testar o meu jogo em pé com ela.  Kowalkiewicz é uma grande adversária e eu quero lutar com as melhores da categoria, estou treinando muito duro, e vou em busca de um nocaute. – Disse a brasileira.

A representante da Paraná Vale-Tudo não se esquivou de falar da sua algoz Joanna Jędrzejczyk. A polonesa venceu Jéssica ‘Bate-estaca’ no UFC 211, quando ainda era campeã dominante do peso palha do Ultimate. A brasileira declarou que cresceu muito após o revés e deixou em aberto uma possível revanche, mas somente valendo o cinturão.

— A minha derrota contra a Joanna me fez crescer muito como ser humano e como profissional. Eu procurei evoluir em muitos quesitos e mostrei ao mundo todo minha evolução na luta contra Claudia Gadelha no Japão, no momento Joanna vem de 2 derrotas e 1 vitória, ganhou a Tecia Torres que eu também venci na minha última luta, então pretendo sim ter uma revanche, mas somente pelo título, quem sabe uma futura disputa de cinturão, isso pode acontecer sim.

Leia também
O Vale Tudo está de volta à São Paulo com o novo “Rio Heroes”
Khabib Nurmagomedov defende cinturão contra Conor McGregor no UFC 229
McGregor exalta vitória de José Aldo: “Muito feliz por ele”

Normalmente, o objetivos dos atletas é sempre o cinturão, e com a Jessica Andrade não é diferente. Ela já lutou 13 vezes no UFC e venceu 10, é a atual segunda colocada no ranking das palhas. Somando isso ao fato de nunca ter enfrentado Rose Namajunas e vir de duas vitórias, o credenciamento ao título parece ser realidade.

— Na verdade, atualmente só me falta lutar com a Karolina dentro das posições do ranking. Então vamos lá, lutarei com a Karolina e estou credenciada para uma nova disputa de cinturão contra Rose Namajunas.

Em uma projeção para sua carreira, Jéssica ‘Bate-Estaca’ Andrade mostrou otimismo para os próximos anos. A atleta da Paraná Vale-Tudo quer estar como campeã e já defendendo seu título em dois anos.

— Almejo daqui a 2 anos estar como campeã do UFC mantendo meu cinturão e defendendo ele, sendo uma grande representante da luta feminina no Brasil, e com meu time PRVT girls em grande destaque no cenário nacional e internacional.

Para finalizar, Jéssica Andrade declarou não ter planos para mudar de divisão. A lutadora começou na divisão dos galos, mas ressaltou que sua decisão de descer, tomada junto com seu treinador, foi acertada.

— Eu entrei no UFC lutando na categoria de cima (até 61kg), fiz grandes lutas, e uma das melhores escolhas da minha vida junto com meu Mestre Paraná foi descer para a categoria dos palhas (até 52kg) hoje eu luto com meninas do mesmo tamanho que eu e não encontro tanta dificuldade, faço minha dieta tranquila e com treinos consigo bater o peso super bem. Então, não nenhum pretensão nenhuma de mudar minha categoria, pois realmente me encontrei nessa categoria. A única pretensão que tenho é conquistar o cinturão e me manter com ele um bom tempo.

Carreira de Jéssica Andrade

Aos 26 anos de idade, Jéssica ‘Bate-Estaca’ Andrade é mais um destaque da geração de ouro da Paraná Vale-Tudo. É uma atleta versátil, tendo diversas vitórias tanto finalizando como nocauteando.

Jéssica luta MMA profissionalmente desde o ano de 2011. De lá para cá, fez 24 combates, saindo como vencedora em 18 oportunidades e tendo 6 revezes. Seu cartel dentro do UFC, como já dito, é de 13 lutas, tendo vencido 10 vezes. Jéssica chegou disputar o cinturão, mas foi derrotada por decisão unânime dos árbitros. Atualmente, vem de duas vitórias consecutivas.

Foto: Esther Lin, MMA Fighting.

TJ Dillashaw nocauteia Cody Garbrandt no UFC 227

A luta principal do histórico UFC 227 não poderia ser outro, senão a revanche entre TJ Dillashaw x Cody Garbrandt. Luta válida pelo cinturão da divisão peso-galo, entre dois grandes rivais e ex-colegas de academia que tomaram caminhos opostos. Essa é a segunda batalha entre os citados no UFC, na primeira ocasião, Dillashaw venceu e tomou o cinturão de Garbrandt.

Leia mais
Henry Cejudo vence Demetrious Johnson por decisão dividida
Renato Moicano finaliza Cub Swanson no UFC 227
Todos os resultados do UFC 227

O primeiro a golpear foi  TJ Dillashaw, com um chute baixo, que logo foi respondido por Cody Garbrandt. O combate seguiu frenético com a trocação franca no centro do octógono. Em uma tentativa de chute do  TJ Dillashaw , Cody Garbrandt encurtou, conectou bons golpes no frontal do campeão, mas no contragolpe, o desafiante sofreu um knowkdown.

TJ Dillashaw viu ali o caminho das pedras e golpeou duramente a têmpora do Cody Garbrandt. O desafiante não conseguia absolver os golpes contundentes e frequentes, e ficou no piloto automático.

O árbitro central ainda esperou o Cody Garbrandt  se recuperar, mas TJ Dillashaw não dava brechas para isso, forçando ao Herb Dean a encerrar o combate. Com isso, o TJ segue como atual campeão do peso galo da maior organização de MMA do mundo.

Foto: Jeff Bottari / Zuffa LLC / Zuffa LLC via Getty Images

[GIF] Henry Cejudo vence Demetrious Johnson por decisão dividida

A histórica edição do UFC 227, teve como co-evento principal uma revanche, o primeiro reencontro das duas revanches pelo cinturão. Estava em jogo o cinturão do peso-mosca. O incansável Demetrious Johnson enfrentando pela segunda vez Henry Cejudo.

Leia mais

A luta começou movimentada, mas sem nenhum dos atletas se exporem. Mas logo no primeiro minuto, o Henry Cejudo acusou uma lesão no pé esquerdo, mas não entregou os pontos. O Demetrious Johnson, como sempre, caminhando para frente, golpeando mais e com mais contundência. Cejudo aparentemente se recuperou da lesão, esboçou reação no último minuto, mas mesmo assim, não recuperou o primeiro assalto, que foi claramente para o campeão.

O segundo assalto voltou numa proposta diferente,  os atletas chegaram a se agarrar na grade por início, mas logo voltaram ao centro do octógono para trocação. Henry Cejudo melhorou para esse round, golpeou mais que no anterior, bons chutes, socos que tocaram o frontal do campeão etc. No último minuto, o desafiante surpreendeu, aplicou a queda, deixando o campão de costas no chão. Lutando em casa, a luta seguiu no solo até o fim, empatando a luta por pontos. Um round para cada.

O combate seguiu com o ritmo acelerado, com ambos os lutadores se tocando concomitantemente. Henry Cejudo tentou nova queda, mas agora mais ligado, Demetrious Johnson e defendeu bem. A luta seguiu sendo trabalhada no centro, com muita movimentação. Já no último minuto, o Cejudo agarrou, chegou a quedar o campeão, mas DJ não aceitou a queda, logo voltou de pé. O mesmo aconteceu alguns segundos depois novamente. Demetrious venceu mais um round.

Para o quarto round, Cejudo aparentava estar mais cansado, enquanto Demetrious Johnson continuava no mesmo ritmo. O desafiante tentava encurralar o campeão, que rechaçava a aproximação. Na metade do round,  o Henry Cejudo conseguiu nova queda que colou DJ de costas no chão. Trabalhando por cima, o desafiante golpeou bastante de cima para baixo, empatando a luta nos pontos.

Para o quinto, último e decisivo round começou de maneira mais conservadora. A trocação seguia parelha no centro do octógono, com Demetrious golpeando e saindo, sem sequencia. Enquanto isso, Cejudo trabalhava no contragolpe. Na segunda metade do assalto, o desafiante investiu na pegada para tentar nova queda, e conseguiu, mas rapidamente a luta volta de pé. O round morno poderia dar para qualquer um dos dois, ficando a tensão para os árbitros laterais.

Na soma das papeletas dos árbitros laterais, veio a confirmação. Demetrious Johnson foi destronado e Henry Cejudo é o novo campeão dos moscas do UFC por decisão dividida.

Carreira de Demetrious Johnson e Henry Cejudo

Aos 31 anos de idade, Demetrious Johnson é o recordista em defesas de cinturão dentro da maior organização do mundo. Como profissional de MMA desde o ano de 2007 , fez 31 combates. Demetrious venceu 27 vezes, foi derrotado em 3 ocasiões e tem um empate.

Também americano e também de 31 anos, Henry Cejudo luta profissionalmente MMA desde o ano de 2013. Em seu cartel, tem 15 lutas, tendo vencido 13 vezes e perdido em 2 ocasiões. Agora entra para a história como o primeiro a tomar cinturão de Demetrious Johnson.

Gif: Momento da luta de Demetrious Johnson e Henry Cejudo

 

Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

[GIF] Renato Moicano finaliza Cub Swanson no UFC 227

A terceira luta mais importante da noite do UFC 227 foi o duelo de peso-pena entre Cub Swanson x Renato Moicano. Vindo de duas derrotas, o americano tentou frente ao brasileiro, voltar a respirar na organização. Já Moicano, foi para o octógono para tentar abrir mais uma sequencia de vitórias em sua carreira.

Leia mais:

O Cub Swanson começou conectando os primeiros chutes baixos, mostrando a que veio, mas foi respondido prontamente pelo brasileiro. Renato Moicano soltou alguns socos que foram de encontro do frontal do americano, mas de igual forma, os golpes eram respondidos. A luta seguia ativa, trocação no centro do octógono, sem ninguém se arriscar. Na altura da metade do round, Renato Moicano conectou um ótimo jab de esquerda, somou seu primeiro knockdown.

Daí em diante, viu-se uma verdadeira blitz do brasileiro frente ao americano. Renato Moicano castigou o Cub Swanson que aguentava os duros socos até então. Vendo a brecha aberta, o brasileiro foi para as costas, encaixou os ganchos e logo em seguida ajustou o estrangulamento.

Vencendo brilhantemente com essa finalização no primeiro round, Renato Moicano ganha muita moral na organização e, deve subir algumas posições no ranking.

Na entrevista ainda dentro do octógono, o brasileiro pediu revanche para Brian Ortega, seu único algoz.

Carreira de Cub Swanson e Renato Moicano

O americano, mais experiente, com 34 anos, é profissional de MMA desde o ano de 2004. Atual quinto colocado no ranking do UFC, Cub Swanson fez 35 lutas como lutador de MMA, tendo vencido 25 e saindo como derrotado em outras 10 lutas.

Enquanto isso, o brasileiro Renato Moicano tem seus 29 anos de idade, e luta profissionalmente MMA desde o ano de 2010. Em seu cartel, possui 15 lutas. Moicano venceu 13, perdeu apenas uma e um empate. Até o presente momento, ele é o 10º colocado do ranking do médios.

GIF do knockdown de Renato Moicano

Foto: Jeff Bottari / Zuffa LLC / Zuffa LLC via Getty Images

LFA 46: James Nakashima vence Kyle Stewart e mantém cinturão

Foi realizado na noite desta sexta-feira (28), no Joint Base Langley-Eustis em Newport News, Virginha, nos Estados Unidos, a 46ª edição do Legacy Fighting Alliance, que contou com uma disputa de título e um brasileiro no card.

Na luta principal do LFA 46, James Nakashima manteve sua invencibilidade no esporte e também seu cinturão da divisão dos pesos meio-médios ao vencer por decisão unânime dos árbitros laterais Kyle Stewart. Nako anotou sua nona vitória como profissional, enquanto Gunz Up sofreu o primeiro revés.

No co-main event, o brasileiro Alexandre Popo Bezerra nocauteou o norte americano Sam Toomer com exatos três minutos de luta no segundo assalto do combate. O lutador da Alliance MMA venceu a vigésima primeira luta de sua carreira, enquanto Super, como é chamado seu adversário, teve de amargar a terceira derrota.

Ainda entre os combate principais da noite, Christian Torres aplicou um nocaute diant de Dashawn Boatwright com dois minutos e cinquenta e oito segundo do primeiro round.

Confira abaixo os resultados completos do LFA 46: Nakashima vs. Stewart:

  • (c) James Nakashima derrotou Kyle Stewart por decisão unânime dos juízes – Manteve o cinturão dos meio-médios;
  • Alexandre Popo Bezerra derrotou Sam Toomer por nocaute técnico (socos) aos 3m:00s do segundo round;
  • Christian Torres derrotou Dashawn Boatwright por nocaute (socos) aos 2m:58s do primeiro round;
  • Ahmet Kayretli derrotou Shaun Spath por nocaute (pisão no corpo) aos 4m:00s do segundo round;
  • Mumia Abu Dey-Ali derrotou Mitch Aguiar por nocaute (soco) aos 0m:31s do primeiro round;
  • Victoria Leonardo derrotou Salina Rowland por decisão unânime dos juízes;
  • Mike Lawrence derrotou Chris Rollins por decisão unânime dos juízes;
  • Micah Terrill derrotou Ryan Jett por decisão unânime dos juízes;
  • Adi Alic derrotou Terrell Hobbs por nocaute técnico (socos) a 1m:28s do primeiro round.

Top 4 das piores lutas da história

Depois de assistir a decepcionante luta entre Ngannou vs Lewis no UFC 226, nossa direção teve um insight sobre quais foram as piores lutas dos últimos tempos, seja devido a expectativa que colocamos no grande confronto ou pelo nível técnico das lutas ser abaixo do que se esperava.

Então selecionamos as piores lutas!

Leia também
Paulo Borrachinha enfrenta Yoel Romero no UFC 230
As 5 maiores decepções para os brasileiros no UFC
“A verdade foi esclarecida”, diz Anderson Silva após suspensão

1º das piores lutas de MMA:  CM Punk x Mike Jackson

Meio difícil esperar alguma coisa muito positiva da luta de um ex-wwe contra um “cartel negativo”, ainda mais num card com duas disputas de cinturão (UFC 225). Mas colocar essa luta em um card principal de um evento como o UFC 225 foi um grande vacilo da organização e um certo desrespeito com os demais atletas.
Mas a luta com seu show de horror com socos e chutes de fazer vergonha a qualquer evento de esquina acaba pondo um certo descredito na organização. O fato fica piorado pela postura do Mike Jackson. Que poderia ter evitado a triste agonia de 15 minutos de tortura esportiva e acabado com luta mais rápido. Porém preferiu aproveitar os 15 minutos de fama e aparecer um pouco na TV.

2º das piores lutas: Dada 5000 x Kimbo Slice

O confronto dos reis das brigas de rua postadas no youtube enfim aconteceu, porém com pelo menos uns 7 ou 8 anos de atraso. A aguardada luta de Dada 5000 vs Kimbo Slice acabou virando uma espécie de Freak show onde a atração era ver quem conseguiria levantar o braço e dar o derradeiro soco. Soco este que nem ao menos aconteceu, pois no 3º round, o Dada 5000 caiu exausto no cage sem levar um golpe (naquele momento) dando a vitória ao Kimbo Slice. O Dada ainda precisou receber oxigênio ainda dentro do cage e foi direto para um hospital local, onde ainda chegou a sofrer uma parada cardíaca. Para completar, meses depois a luta teve seu resultado para NC pois o Kimbo foi pego no anti-doping (que surpresa!!).

A falta de preparo e condições para a luta foi bastante criticada na época. Ainda mais pelo combate com pouca ação, realmente se a luta tivesse sido a alguns bons anos atrás, talvez fosse mais interessante.

3º Todas dos Wrestlings

O MMA por definição é algo como a soma de todas as artes marciais, cada uma com sua técnica e ponto de vantagem sobre as demais. O atleta de MMA hoje em dia tem que ser pelo menos “razoável” em todas elas para ser competitivo. Muitos deles são especialistas em uma ou mais fundamentos (Trocação, contra-golpe, chão, clinch, etc) os quais utilizam como base do seu estilo de luta. Porém verdade seja dita, existe pouca coisa mais chata que um Puro Wrestling no MMA, do tipo que só faz o jogo de grade e coloca para baixo.

Mas calma, não estamos falando de caras como Jon Jones, Mark Colleman, Daniel Comier ou o Nurmagomedov que além de Wrestlings usam muito bem outros fundamentos do MMA. Estamos falando de caras como Phill Davis, Colby Covington e o GSP (Wowwww Polemica no ar!) que deixam a luta travada após derrubarem. Embora faça parte das regras e seja um jogo eficiente. Convenhamos, é duro de assistir um jogo de puro Wrestling se comparar com um jogo de trocação ou outro.

4º das piores lutas: Mcgregor vs Mayweather

Um duelo com um trash talk de fazer vergonha alheia, entre um gênio do boxe quarentão voltando da aposentadoria e uma estrela recente do MMA. Mcgregor vs Mayweather prometia ser um confronto de estilos mas acabou virando um combate entre um profissional do boxe e um amador. O Mayweather acabou vencendo por TKO, coisa que não fazia desde 2011. Porém o que não teve de atrativo na luta em si, acabou gerando muita grana para os envolvidos. Estima-se que o Mayweather faturou entre 250 e 300 milhões de dólares, o que dá mais de 1 Bilhão de Reais!

Claro que devem existir lutas piores que estas, mas considerando o nível de exposição das mencionadas, todo mundo esperava algo a mais.

Mas se esquecemos de alguma, cite nos comentários! É sempre bom lembrar dessas aberrações, rs.

Foto: Taormina-USA TODAY Sport

As principais notícias do esporte que mais cresce no mundo, em um só lugar. 

Contate-nos:  

[email protected]

© Copyright 2015-2018 Tudo Sobre MMA| desenvolvido por: Vedrak Devs