O UFC Fight Night 137 teve sua segunda luta confirmada nesta terça-feira (26). Conforme noticiou o site Combate, a brasileira Livinha Souza irá estrear no Ultimate contra Alex Chambers pela divisão dos palhas, no dia 22 de setembro na cidade de São Paulo no Ginásio do Ibirapuera.

Ex-campeã do Invicta FC, Livinha Souza faria sua estreia no UFC em fevereiro contra Jessica Aguilar, entretanto, uma fratura na mão o tirou do evento. Em seu cartel profissional, a paulista de 27 anos possui 11 vitórias e uma derrota. Sua última luta foi em agosto de 2017, quando derrotou Janaisa Morandin por decisão unânime no Invicta FC 25.

Leia também: Nação Cyborg confirma segunda edição para cidade de Campo Larga no Paraná 
Rashad Evans anuncia aposentadoria do MMA

Após uma passagem pelo The Ultimate Fighter 20, Alex Chambers tenta obter uma sobrevida no Ultimate. A australiana de 39 anos vem de duas derrotas: Paige VanZant, e Nadia Kassem. Em sua carreira, acumula cinco vitórias e quatro derrotas.

CARD DO EVENTO ATÉ O MOMENTO: 

Peso-meio-pesado: Luis Henrique KLB x Mark Godbeer
Peso-palha: Lívia Renata Souza x Alex Chambers

FOTO: INVICTA FC
Mackenzie Dern finalizou Amanda Cooper no primeiro round no UFC 224

A terceira luta mais importante, de acordo com a colocação do card do UFC 224, foi o duelo entre Mackenzie Dern x Amanda Cooper. A brasileira/americana fez a sua segunda luta dentro da maior organização de MMA do mundo.

A luta das palhas começou morna, com as atletas se estudando, sem nenhuma atacar de forma efetiva. A trocação foi dando as caras após o primeiro minuto de luta, com ambas se tocando, mas com a Amanda Cooper conectando os melhores socos até então.

Leia também: Todos os resultados do UFC 224

A Mackenzie Dern surpreendeu com um duro soco de direita que levou sua adversária ao solo, desnorteada. vendo a oportunidade, a brasileira/americana foi pro tudo ou nada, conseguiu a montada, trabalhou bons socos por cima e ganhou as costas.

Já com as costas de Amanda Cooper dominada, Mackenzie Dern encaixou o estrangulamento e só restou a sua adversária bater em sinal de desistência.

Nocaute de Mackenzie Dern sobre Amanda Cooper

Carreira de Mackenzie Dern e Amanda Cooper

Com apenas 25 anos de idade, Mackenzie Dern possui dupla nacionalidade (americana/brasileira) e já é um dos principais nomes do MMA atual. No UFC 222 fez a sua estreia no UFC e venceu por decisão. No UFC 224, subiu no octógono do Rio de Janeiro e venceu/perdeu. Seu recorde profissional é de 7 lutas e 7 vitórias.

Já a Amanda Cooper, americana com 26 anos de idade, apresenta um cartel mais inconstante. Essa também foi sua sétima luta na carreira como lutadora profissional de MMA, tendo vencido 3 e perdido outras 4.

O Ultimate aterrissa neste sábado (07) na Barclays Center, em Nova Iorque, Estados Unidos para o UFC 223. Na luta principal, o russo Khabib Nurmagomedov encara o americano Al Iaquinta, pela divisão dos leves.

Na luta co-principal, teremos a aguardada revanche entre a campeã Rose Namajunas contra a ex-campeã Joanna Jedrzejczyk. No primeiro encontro, no UFC 217, Rose superou a polonesa no primeiro round, por nocaute técnico.

Único brasileiro no card, Renato Moicano vai em busca de recuperação contra o americano Calvin Kattar. O brasiliense detém um cartel com 11 vitórias e apenas uma derrota.

RESULTADOS EM TEMPO REAL: 

CARD PRINCIPAL 
Peso-leve: Khabib Nurmagomedov venceu Al Iaquinta por decisão unânime (50-44, 50-43, 50-43)
Peso-palha: Rose Namajunas venceu Joanna Jedrzejczyk por decisão unânime (49-46, 49-46, 49-46)
Peso-pena: Renato Moicano venceu Calvin Kattar por decisão unânime (29-28, 30-27, 30-27)
Peso-pena: Zabit Magomedsharipov venceu Kyle Bochniak por decisão unânime (29-28, 30-27, 30-27)
Peso-leve: Chris Gruetzemacher venceu Joe Lauzon por nocaute técnico no segundo round
CARD PRELIMINAR 
Peso-palha: Karolina Kowalkiewicz venceu Felice Herrig por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)
Peso-leve: Evan Dunham x Olivier Aubin-Mercier venceu Evan Dunham por nocaute técnico aos 53 segundos do primeiro round
Peso-mosca: Ashlee Evans-Smith venceu Bec Rawlings por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Peso-meio-pesado: Devin Clark venceu Mike Rodriguez por decisão unânime (29-28, 30-27, 30-27)

Leia também: Ultimate oficializa revanche entre TJ Dillashaw e Cody Garbrandt para o UFC 227

Conforme apurou o site “Combate”, a brasileira Poliana Botelho enfrentará a japonesa Syuri Kondo no UFC Fight Night 129, pela divisão dos palhas. Esse é a primeira luta confirmada para o evento.

Poliana Botelho fará sua segunda luta no UFC. Na estreia, a carioca venceu Pearl Gonzalez por decisão unânime no UFC 216. Na carreira, Botelho detém um cartel com 6 vitórias e apenas uma derrota.

Leia também: Confira os salários do UFC 221

Syuri Kondo também irá para o segundo embate no Ultimate. A japonesa de 29 anos está invicta na carreira com 6 vitórias. No último duelo, a peso-palha derrotou Chanmi Jeon por decisão dividida no UFC Fight Night 117.

O UFC Fight Night 129 será realizado na Movistar Arena, em Santiago, no Chile.

Um interessante combate está sendo trabalhado para acontecer no UFC Fight Night 135. Pela divisão dos palhas, a mexicana Alexa Grasso enfrentará a americana Angela Hill. A informação foi dada inicialmente pelo site MMA Weekly.

Considerada uma promessa do MMA feminino, Alexa Grasso tentará uma nova sequência de vitórias na carreira. Aos 24 anos, Grasso possui 10 vitórias e duas derrotas. Após estrear com vitória sobre Heather Clark no UFC Fight Night 98, acabou sendo superada por Felice Herrig em fevereiro de 2017.

Leia também: Jimmie Rivera duela contra John Dodson no UFC 228

Apesar de se recuperar vencendo a canadense Randa Markos no UFC Fight Night 114, Alexa Grasso acabou novamente sentindo o gosto amargo da derrota, dessa vez para Tatiana Suarez, por finalização no UFC Fight Night  129 em sua última luta.

Também com uma sequência irregular entre vitórias e derrotas, Angela Hill vai em busca do segundo triunfo seguido. Ex-Invicta FC, Angela venceu em sua última luta Maryna Moroz por decisão unânime no UFC On Fox 28. Na carreira, a americana acumula oito vitórias e quatro derrotas.

O UFC Fight Night 135 será realizado na Pinnacle Bank Arena, em Lincoln, Nebraska nos Estados Unidos no dia 25 de agosto.

CARD DO EVENTO ATÉ O MOMENTO:  

Justin Gathje x Al Iaquinta
Andrews Sanchez x Antonio Braga Neto
Eryk Anders x Tim Williams
Rani Yahya x Luke Sanders
Drews Dober x Jon Tuck

Está confirmado mais uma grande luta pra o UFC On Fox 30. A polonesa Joanna Jedrzejczyk enfrenta a americana Tecia Torres, pela divisão dos palhas. O presidente Dana White confirmou para a ESPN.

Ex-campeã da categoria, Joanna tentará acabar com a má fase. Depois de emplacar cinco defesas de título com sucesso, a polonesa perdeu para a americana Rose Namajunas no UFC 217. Em seguida, voltou a enfrentar a nova campeã, dessa vez no UFC 223, e novamente foi derrotada.

Quinta do ranking, Tecia também busca recuperação. A americana foi superada por Jéssica Andrade por decisão unânime no UFC On Fox 28. Anteriormente, a peso-palha havia conseguido deter uma sequência de quatro vitórias consecutivas.

O UFC On Fox 30 será realizado na cidade de Calgary, em Alberta no Canadá no dia 28 de julho.

CARD DO EVENTO ATÉ O MOMENTO:

José Aldo x Jeremy Stephens
Joanna Jedrzejczyk x Tecia Torres
Alex Davis x Katlyn Chookagian
Randa Markos x Nina Ansaroff
Dustin Ortiz x Matheus Nicolau
Gadzhimurad Antigulov x Ion Cutelaba
Jordan Mein x Alex Morono
John Makdessi x Ross Pearson
Kajan Johnson x Islam Makhachev
Hakeem Dawodu x Austin Arnett

Mackenzie Dern venceu em sua estreia no UFC 222

A última luta do card preliminar do UFC 222, chamou atenção de boa parte dos brasileiros que acompanham a organização. Isso pelo fato de ser a estreia de Mackenzie Dern no Ultimate, contra Ashley Yoder. Mesmo Mackenzie que mesmo nascida nos Estados Unidos é filha de brasileiros e naturalizada.

Leia mais: Todos os resultados do UFC 222

A americana naturalizada brasileira começou longo impondo o seu jogo e tratou de surpreender sua adversária. Mackenzie Dern desferiu um bom chute baixo e uma sequencia de socos no frontal de sua adversária. Após isso a luta se encaminhou para a grade, sempre com a brasileira se impondo. A Ashley Yoder também esboçou reação aplicando alguns chutes e socos na Matosckenzie. A trocação foi franca em alguns momentos do combate com ambas se tocando. A luta seguiu até o final do round com a movimentação em bom ritmo e permanecendo a vantagem da naturalizada.

A luta voltou para o segundo round mais estudado, mas Mackenzie Dern também começou a atacar primeiro. No decorrer do assalto, a lutadora brasileira continuou a surpreender  e foi melhor na trocação. Ashley Yoder amarrou Mackenzie Dern de costas na grade e a luta foi reconduzida ao centro do octógono. A Yoder também surpreendeu com um soco que tirou o equilíbrio da Mackenzie, que conseguiu absolver. Sentindo o golpe, a brasileira tirou o pé do acelerador  e a Yoder começou a conectar bons golpes de esquerda  e capitalizou pontos importantíssimos. Mackenzie esboçou reação ao aplicar uma queda, foi frustrada e logo após o round foi interrompido. Pelo crescimento na segunda metade do round, a  Ashley Yoder empatou a luta.

Como nada definido para o terceiro e último round, a cautela ditou o ritmo nesse assalto. A Mackenzie Dern tentava a qualquer custo levar a luta para o solo, mas a Ashley Yoder continuou frustar o jogo de queda. A lota voltou ao centro do tablado e a brasileira finalmente conseguiu a sua queda. A transição para as costas veio logo em seguida. Mackenzie Dern passou os dois ganchos aplicou o mata leão, mas a cana do braço não passou, a Ashley Yoder  resistiu os últimos segundos e a luta foi para a decisão.

Na soma das papeletas dos árbitros laterais, foi decretada a por decisão dividida de Mackenzie Dern.

Carreira de Mackenzie Dern

Mackenzie tem apenas 24 anos e é mais uma promessa para o futuro do MMA. Ela ainda não sabe o que é perder em sua carreira como lutadora profissional de MMA. Das suas seis lutas, venceu todas.

Brasileiros e o cinturão do UFC, onde estão nossas chances ?

A derrota de Rafael dos Anjos para Colby Covington no último sábado (09) em Chicago, quando o brasileiro estava na porta de trazer o cinturão para o Brasil, deixou os fãs brasileiros preocupados e com poucas esperanças de termos uma nova chance de ver um lutador brasileiro buscando a cinta no maior evento de MMA do mundo este ano. Então vamos analisar todas as divisões do Ultimate,  para ver de onde pode pintar a combinação de brasileiros e o cinturão do UFC nos próximos meses.

Nas categorias femininas temos a campeã Cris Cyborg absoluta na divisão dos Penas. Inclusive o UFC tem dificuldades de encontrar uma adversária capaz de pelo menos dificultar a vida da brasileira. Temos Amanda Nunes, campeã dos Galos, com três defesas do cinturão. A categoria ainda conta com Ketlen Vieira que vem crescendo na divisão e pode ser a próxima a se tornar desafiante da Amanda Nunes. No Peso Mosca, categoria criada recentemente pelo UFC, não temos nenhuma atleta ranqueada no momento.

Nas categorias masculinas tínhamos duas grandes esperanças: Ronaldo Jacaré, que acabou  derrotado por Kevin Gastelum na luta que definiria o próximo desafiante ao cinturão dos Médios, e Rafael dos Anjos que acabou encurralado pelo jogo de clinche do falastrão Colby Covington, na luta que valia o cinturão interino dos Meio-Médios. Ainda assim, temos boas perspectivas em médio prazo.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Palha

Aqui, temos uma ótima chance. Jéssica Bate-Estaca deve ser oficializada como próxima desafiante ao cinturão de Rose Namajunas. A brasileira tem boas chances de vitória com o seu jogo em pé afiado, muita explosão e potência nos golpes, assim tem tudo para dificultar a vida da americana. Se não houver imprevistos e a luta for confirmada, a tendência é que tenhamos a brasileira disputando o cinturão em outubro ou novembro.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Mosca

A divisão amplamente dominada por Demetrious Johnson que varreu a categoria. Tem o recorde de defesas de cinturão, já são 11. O campeão tem luta marcada contra Henry Cejudo. São cinco os brasileiros ranqueados nessa categoria: Jussier Formiga (4º) (um dos poucos bem ranqueados que ainda não enfrentou o campeão), Wilson Reis (7º), Alexandre Pantoja (8º), Matheus Nicolau (11º) e Deiveson Figueiredo (14º). Jussier Formiga vem de duas vitórias consecutivas. Se conseguir uma luta contra um adversário duro como Sérgio Pettis nos próximos meses e vencer, provavelmente diante do campeão, possivelmente no início do
próximo ano.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Galo

Marlon Moraes vem de uma vitória acachapante contra o até então invicto Jimmie Rivera e se credenciou a próximo desafiante ao cinturão de TJ Dillashaw. Porém, o campeão tem luta marcada contra Cody Garbrandt. Se TJ vencer, a luta contra o brasileiro deve ocorrer por meados de dezembro. Se der Cody, provavelmente será marcada a trilogia entre ambos e o brasileiro teria que fazer mais uma luta pra se manter em atividade e lutar pelo cinturão somente em 2019. Raphael Assunção é outro brasileiro que está bem ranqueado nessa divisão.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Pena

Apesar das seguidas derrotas nas últimas lutas e da indefinição quando ao seu futuro no MMA, José Aldo ainda é a maior esperança brasileira entre os Penas. Se tudo der certo as chances dele voltar a lutar pelo cinturão são boas. O campeão Max Holloway, que projeta subir de divisão num breve futuro, vai encarar Brian Ortega. Se o desafiante vencer, o caminho do brasileiro ficaria interessante. Aldo tem luta marcada contra Jeremy Stephens. Se vencer bem e com um pouco de sorte ele pode ser alçado a próximo desafiante. Se considerarmos que Ortega já terá vencido Holloway e Frankie Edgar, e nunca enfrentou o brasileiro. Outro brasileiro que vem bem na divisão é Renato Moicano, mas ainda distante de chagar a uma luta por cinturão.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Leve

Talvez a categoria mais competitiva do UFC. Só temos Edson Barboza como brasileiro ranqueado nessa divisão. Atualmente ele é o número 6, porém está muito distante de lutar pelo título. Barboza já foi derrotado pelo campeão Khabib Nurmagomedov e vem de derrota para Kevin Lee.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Meio-Médio

A derrota de Rafael dos Anjos foi uma pancada para os fãs brasileiros. Rafael era a grande esperança brasileira de cinturão este ano. Porém, apesar da derrota para
Covington ele continua no caminho do cinturão porque ainda é um dos principais nomes da divisão. Uma nova luta com um desempenho convincente como a que ele fez contra Robbie Lawler vai recolocá-lo nos trilhos. O cinturão da divisão certamente será unificado ainda este ano e se Tyron Woodley vencer, as chances do brasileiro crescem. Kamaru Usman vem ganhando força na divisão e esse seria o adversário ideal para Rafael encarar, e se possível no mesmo evento de Woodley vs Covington. Se tudo der certo, no início de 2019 Rafael poderá ter nova chance pelo título. Demian Maia que vem de duas derrotas ficou distante. Alex Cowboy está em 14º no ranking e é uma esperança brasileira em longo prazo.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Médio

Apesar da derrota para Kevin Gastelum, Ronaldo Jacaré ainda pode sonhar com o cinturão. A vitória de Robert Whittaker sobre Yoel Romero foi boa para o brasileiro, que não perdeu tempo, e já pediu uma revanche contra o cubano. Whittaker deve encarar Gastelum provavelmente entre outubro e dezembro. Caso Jacaré consiga arrumar uma revanche contra Yoel Romero e  vencer, provavelmente estará como principal nome para enfrentar o vencedor de Whittaker vs Gastelum. Seria interessante pra ele também, se Cris Weidman permanecesse inativo por mais algum tempo. Machida vem de duas vitórias, mas pela idade e pelo caminho que precisaria percorrer, está distante. Paulo Borrachinha, Cara de Sapato e Thiago Marreta já chegaram ao ranking da divisão e são esperanças brasileiras para breve. Especialmente o primeiro que conta com a admiração de Dana White.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Meio-Pesado

O campeão Daniel Cormier tem luta marcada para julho na categoria de cima contra Stipe Miocic e isso deve travar a divisão pelo menos até o final do ano. Os dois brasileiros ranqueados na divisão tem lutas marcadas. Maurício Shogun encara Volkan Oezdemir e Glover Teixeira pega Ilair Latifi. Uma vitória deve colocar ambos os brasileiros a uma luta do title shot. Alexander Gustafsson provavelmente deverá ser o próximo desafiante nessa categoria.

Brasileiros e o cinturão do UFC: Peso Pesado

Assim como no meio-pesado a super-luta que irá ocorrer em julho entre o campeão Stipe Miocic e Daniel Cormier vai travar a divisão. Levando-se em conta que Fabricio Werdum foi pego em exame antidoping pela USADA e está esperando o desenrolar da contraprova e talvez até julgamento, não se sabe quando voltará a lutar. O brasileiro que teria melhores chances é Júnior Cigano, atualmente em 5º no ranking da categoria.

O problema é que Cigano vem de um longo período de inatividade e de uma derrota acachapante contra o atual campeão. Sendo assim, dificilmente veremos algum brasileiro disputando o cinturão dos Pesados a curto ou médio prazo. Portanto podemos esperar pelo menos mais dois brasileiros disputando cinturão ainda este ano. Com grandes chances que estes sejam Jéssica Bate-Estaca pelo Peso Palha e Marlon Moraes pelo Peso Galo. Apesar da fase no momento não ser das melhores para o MMA brasileiro dentro do UFC, esse cenário pode mudar ainda este ano.

Texto enviado por: Diego Piñeyrua Neto, atual representante do Octógono Virtual
Foto: Christoper Lee/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Rose Namajunas vence Joanna Jedrzejczyk por pontos em luta disputada

O co-evento principal, poderia ser facilmente a principal atração da edição de número 223 do UFC, realizado em Nova York. A revanche entre Rose Namajunas x Joanna Jedrzejczyk, atraiu ainda mais holofotes para mais um histórico evento do Ultimate. Essa luta foi válida pelo peso palha e o cinturão da categoria estava em jogo.

Leia mais:
– Conor McGregor se entrega a polícia em Nova York
– [VÍDEO] Dana White detona Conor McGregoru por vandalismo
– UFC divulga comunicado oficial sobre confusão envolvendo Conor McGregor no UFC 223
Luta entre  Rose Namajunas x Joanna Jedrzejczyk

Com previsão de cinco rounds de cinco minutos, as lutadoras vieram num ritmo acelerado para o inicio do combate. Joanna Jedrzejczyk foi a primeira a conseguir tocar o frontal de sua oponente com jabs. A polonesa esferiu bom chute baixo e Namajunas jogava no contragolpe.  Na altura da metade do assalto, a trocação foi acelerando ainda mais, com ambas se tocando, mas com Joanna sendo mais efetiva. No minuto final, a Rose Namajunas soltou mais seu jogo, deixando o round parelho, mas com leve vantagem para a Jedrzejczyk.

O ritmo frenético se manteve para retornarem ao segundo round. Rose Namajunas estava com o jogo mais solto, mas Joanna Jedrzejczyk continuava muito ligada no combate. O publico levantou-se quando a americana emplacou uma sequência de socos, que foram absolvidos pela polonesa. Jedrzejczyk tentou investir numa queda e foi surpreendida com um duro sono de encontro. A trocação ficou franca no centro do tablado, com a Rose Namajunas levando a melhor. Os últimos segundos do round foi com a luta travada na grade. Assalto com leve vantagem para Namajunas.

Para o terceiro e último round, a proposta segui sendo a mesma. O ritmo frenético continuou cadenciando a luta. Rose Namajunas e Joanna Jedrzejczyk iam se experimentando no centro do octógono, com ambas se tocando constantemente. O jab de esquerda de Namajunas tocava o frontal da polonesa com boa frequência, que respondia com chutes.  Joanna apertou o passo mais ainda no último minuto, encerrando mais um round parelho, levando a polonesa.

Já no quarto round, com o desempenho físico impressionante, Joanna Jedrzejczyk mostrava-se mais inteira. Rose Namajunas diminuiu o seu ritmo e passou a ser mais golpeada no round. A americana estava ainda viva na luta, porém sua desafiante foi melhor no round. Esse foi o assalto mais claro até então.

O impressionante ritmo frenético seguiu para o quinto e último round. Rose Namajunas conseguiu aplicar os primeiros golpes contundentes desse assalto. A Joanna Jedrzejczyk tentava responder, mas a americana golpeava com mais precisão. Com o decorrer do round, a Joanna foi tomando de conta da luta novamente, emparelhando mais um round. A Rose Namajuna conseguiu aplicar um queda nos últimos segundos, mas já não havia mas tempo para nada e, ao nosso entendimento, a campeã perdeu mais um round e consequentemente a luta.

O combate foi para a soma das papeletas dos árbitros laterais, que apontaram a vitória de Rose Namajunas por decisão unânime.

 

 

O Ultimate confirmou na noite desta quarta-feira (14), o duelo entre a brasileira Cláudia Gadelha diante da americana Carla Esparza. O duelo acontecerá pela divisão dos palhas.

Cláudia Gadelha buscará recuperação. Aos 29 anos, a brasileira possui 15 vitórias e três derrotas. Ex-desafiante ao cinturão, Gadelha emplacou duas vitórias seguidas após o revés contra a campeã Joanna Jedrzejczyk, sobre Cortney Casey e Karolina Kowalkiewicz. Depois dos seguidos triunfos, “Claudinha” foi superada pela brasileira Jéssica Andrade no UFC Fight Night 117.

Leia também: Renato Moicano enfrenta Calvin Kattar no UFC 223

Com 13 vitórias e quatro derrotas, Carla Esparza conquistou o cinturão inaugural dos palhas após derrotar Rose Namajunas no TUF 20 Finale. Após deter o título máximo, Esparza perdeu o cinturão depois de perder para Joanna Jedrzejczyk. Atualmente, Carla vive um momento irregular na organização, em seu duelo mais recente, venceu Cynthia Calvillo por decisão unânime no UFC 219.

O UFC 225 será realizado em Chicago, na United Center, nos Estados Unidos no dia 9 de junho.

As principais notícias do esporte que mais cresce no mundo, em um só lugar. 

Contate-nos:  

[email protected]

© Copyright 2015-2018 Tudo Sobre MMA| desenvolvido por: Vedrak Devs