Francis Ngannou anuncia afastamento da carreira como lutador

Logo após sua luta e consequentemente derrota para o norte americano Derrick Lewis no UFC 226, o camaronês/francês Francis NGannou foi muito criticado por seu patrão, Dana White, que afirmou que o sucesso repentino do peso-pesado ex-desafiante ao cinturão da divisão até 120 kg havia ‘subido demais a sua cabeça’ e que o mesmo estaria com o ‘ego incontrolável’.

Em entrevista à “ESPN”, Francis NGannou tratou de colocar ‘os pingos nos is’ e respondeu ás declarações disparadas por Dana White.

“Como você se sentiria se soubesse que alguém tem um problema com você e não te disse nada, e você sequer falou com essa pessoa? Se você tem algum problema comigo, basta me dizer. Nós somos todos seres humanos. Eu não necessariamente concordo que tenha um ego inflado. Não sou o tipo de pessoa que, quando é derrubada, fica caída. Um lutador tem que ter ego, porque precisa acreditar que você é o melhor do mundo. Esse é o meu ego, e não o tipo que fere quem está à minha volta. Eu e Dana não nos falamos pessoalmente desde o UFC 226. Não sei por que ele disse aquelas coisas. Se ele tinha algo a dizer sobre mim, deveria ter dito a mim diretamente”

Leia também: UFC Boise: Raoni Barcelos fatura bônus de luta da noite

Francis NGannou também fez questão de desafiar o brasileiro ex-campeão Junior Cigano, que, no último sábado (14), venceu o búlgaro ex-campeão do extinto WSOF Blagoy Ivanov, no main event do UFC Fight Night 133. Vale lembrar que os dois já tiveram um duelo confirmado no UFC 215, porém, o brasileiro foi Daalertado de uma possível violação antidoping pela USADA, tendo sido retirado do combate, violação esta, em que o brasileiro comprovou sua inocência.

“Não tenho lesões, e ainda quero lutar esse ano. Eu deveria ter enfrentado Júnior Cigano há cerca um ano. Agora que ele acabou de voltar e conseguiu uma grande vitória. Então, talvez seja ele meu próximo adversário”.

Foto: Brandon Magnus/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Nesta quarta-feira (11), o UFC confirmou o elenco que irá compor o The Ultimate Fighter 28. O reality show irá ter início em agosto com a final em novembro, com as divisões dos penas feminino e peso-pesado masculino. Os treinadores serão Kelvin Gastelum e Robert Whittaker.

Na lista, estão dois brasileiros. Anderson Bradock, de 31 anos, possui no MMA 3 vitórias e uma derrota. O peso-pesado se consolidou no kickboxing, onde chegou a disputar o cinturão do Glory. Em sua última luta no cage, superou Julio Cesar por nocaute técnico no WOCS 50 em maio desse ano.

Leia também: Bellator confirma semifinal entre Matt Mitrione e Ryan Bader para outubro 

Quem poderá voltar a ter uma chance no Ultimate, é Larissa Pacheco. A peso-pena de 23 anos esteve na organização entre 2014 e 2015, onde acumulou dois revés, contra Jessica Andrade e Germaine de Randamie. Após ser demitida do UFC, voltou em 2018, onde derrotou Karolline Rosa por finalização no WOCS 49 em março.

Confira a lista oficial:

Peso pena
Leah Letson (4-1)
Larissa Pacheco (11-2)
Marciea Allen (7-2)
Pannie Kianzad (9-3)
Bea Malecki (2-0)
Julija Stoliarenko (4-2-1)
Katharina Lehner (7-1)
Macy Chiasson (2-0)

Peso pesado
Ben Sosoli (6-2)
Maurice Greene (5-2)
Michel Batista (4-0)
Juan Diepa (8-1)
Justin Frazier (10-2)
Anderson Braddock (3-1)
Przemyslaw Mysiala (22-9-1)
Josh Parisian (7-2)

Com o sentimento de frustração, o presidente Dana White após o UFC 226, comentou sobre a luta morna entre Francis Ngannou e Derrick Lewis no combate que antecedeu a principal no último sábado (07), em Las Vegas. O dirigente criticou Ngannou, ao mencionar a sua mudança de ego, decorrente da sua meteórica subida no Ultimate.

“Ele teve uma ascensão muito rápida aqui e obviamente a luta com o Overeem o catapultou para o topo. Todo mundo falava dele, disse White. Eu achava que ele seria o próximo cara. acho que o seu ego subiu demais. Posso dizer que o ego subiu demais com ele. E assim que isso acontece no mundo da luta, você começa a cair. Eu tive alguns encontros com ele, assim como outras organizações, mas o seu ego estava fora de controle.”

Leia também: Daniel Cormier quer defender cinturão contra Shogun

Dana relembrou quando o peso-pesado disputou o cinturão contra Stipe Miocic, onde acabou sendo derrotado por decisão unânime no UFC 220.

“Antes da luta com o Stipe, ele foi para a França. Ele mal treinou para aquela luta. E assim vocês viram o resultado. Aí agora ele voltou e treinou e assim vemos como o seu ego o machucou.”

Apesar das criticas ao camaronês, Dana imunizou Derrick Lewis, e ainda relatou sobre problemas nas costas que o americano sofre.

“Ele é um cara legal, ele é engraçado, quando ele entra para lutar as lutas são emocionantes. Mas ele sempre tem problemas com a coluna e isso vai ser um problema para ele. Você não quer ir lutar com uma coluna ruim contra o Cormier ou qualquer peso pesado. Mas eu gosto dele e continua valorizado.”

FOTO: Foto: Cooper Neill/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Aconteceu nesta terça-feira (3) na madrugada em Las Vegas nos Estados Unidos, o World MMA Awards, no qual elegeu os destaques do MMA em 2017, realizada pela revista “Fighters Only”. Única vencedora do Brasil, Jhenny Andrade foi eleita pelo segundo ano consecutivo a “ring girl” do ano.

No prêmio mais cobiçado do evento, o campeão dos penas do UFC, Max Holloway, foi coroado como “lutador do ano”, enquanto a campeã peso palha do Ultimate, Rose Namajunas, foi escolhida a “lutadora do ano”, além de ter levado o prêmio de “zebra do ano” após ter derrotado a polonesa Joanna Jedrzejczyk no UFC 217.

Leia também: Mousasi cita Machida e dispara contra brasileiros: “Os brasileiros têm a reputação de usar esteroides”

Além de Jhenny, mais quatro brasileiros concorreram, entretanto, não foram gratificados: Rafael dos Anjos (categoria “lutador do ano”); Cris Cyborg (categoria “lutadora do ano”); Diego Brandão (categoria “finalização do ano”); Edson Barboza (categoria “nocaute do ano”).

CONFIRA A LISTA DOS VENCEDORES:

Preparador do ano: Nick Curson
Finalização do ano: Demetrious Johnson – Contra Ray Borg no UFC 216
Veículo de imprensa do ano: MMA Fighting
Lutador revelação do ano: Brian Ortega
Virada do ano: Justin Gaethje – Contra Michael Johnson no TUF 25 Finale
Equipe do ano: American Top Team
Lutador internacional do ano: Robert Whittaker
Lutadora do ano: Rose Namajunas
Nocaute do ano: Francis Ngannou – Contra Alistair Overeem no UFC 218
Treinador do ano: Trevor Wittman
Jornalista do ano: Ariel Helwani
Ring girl do ano: Jhenny Andrade
Luta do ano: Justin Gaethje x Eddie Alvarez, UFC 218
“Zebra” do ano: Rose Namajunas -Contra Joanna Jedrzejczyk no UFC 217
Programa de MMA do ano: The Ultimate Fighter
Comentarista do ano: Dominick Cruz
Lutador do ano: Max Holloway
Árbitro do ano: John McCarthy
Organização do ano: UFC
Prêmio por conjunto da obra: John McCarthy

No combate mais aguardado da madrugada deste domingo (15) no UFC Fight Night 133, diretamente de Boise, Idaho nos Estados Unidos. O brasileiro Junior Cigano dominou o estreante Blagoy Ivanov, e por decisão unânime voltou a vencer no Ultimate

O confronto se iniciou com Junior Cigano indo pra cima, cercando Blagoy Ivanov. Com o búlgaro acuado, Cigano buscava as ações da luta, enquanto Ivanov respondia no contragolpe. Dos Santos seguiu encurralando Blagoy com chutes frontais durante todo o primeiro round.

Na segunda etapa, Junior voltou a dominar o centro do octógono. Ivanov prosseguiu tentando surpreender o brasileiro com respostas rápidas aos ataques. Com um tempo de luta melhor, Junior soltava jabs e chutes para minar Blagoy. Apesar do búlgaro tentar tomar as ações da luta, Dos Santos continuou desferindo os melhores golpes. Faltando um pouco mais de 10 segundos, o brasileiro emplacou um bom ataque com um forte cruzado no rosto de Ivanov.

Perdendo parcialmente o duelo, Ivanov no terceiro round tentava buscar mais a luta, entretanto, Cigano replicava com socos no rosto e no corpo do adversário. Em um bom golpe de esquerda, Blagoy fez Junior sentir o ataque. No penúltimo assalto, Junior disparou mais jabs que conectavam no rosto de Ivanov, além de alguns chutes. Em uma tentativa de aproximação, Blagoy encaixou um direto de esquerda em Cigano.

Nos últimos cinco minutos de luta, Junior Cigano retornou a desenvolver na luta com chutes no abdômen. Em um forte overhand de direita, Junior balançou o búlgaro que continuou andando para frente. Os jabs voltaram a funcionar para o brasileiro, neutralizando o ímpeto de Blagoy até o final do embate. Após a luta, Junior Cigano foi declarado o vencedor por decisão unânime.

CONFIRA TODOS OS RESULTADOS DO UFC FIGHT NIGHT 133

O Bellator confirmou a primeira semifinal do GP dos pesado para edição de 207. O duelo entre Matt Mitrione e Ryan Bader, acontecerá no dia 12 de outubro em Uncasville, Connecticut nos Estados Unidos. Na outra semi, Fedor Emelianenko e Chael Sonnen irão combater de olho em uma vaga pra final, em data ainda não anunciada.

Leia também: Brock Lesnar regressa aos testes da USADA

Após sua passagem pelo UFC, Matt Mitrione chegou no Bellator em 2016. O americano de 39 anos está invicto na nova casa, já são quatro vitórias, sendo a última contra Roy Nelson pelas quartas de finais do torneio. Antes do triunfo contra Nelson, Mitrione derrotou o russo Fedor Emelianenko por nocaute técnico em junho de 2017.

Também ex-UFC, Ryan Bader atualmente detém o cinturão meio-pesado do Bellator, e agora, pode fazer história conseguindo o segundo cinturão de forma simultânea, pela primeira vez na história da organização. O lutador de 35 anos avançou de fase no GP, depois de derrotar King Mo.

Na noite desse sábado (07) foi realizado o UFC 226 em Las Vegas nos Estados Unidos. O evento contou com um card recheado de grandes lutas, mas somente 4 lutadores receberam o bônus de US$ 50 mil por performance da noite. A organização não premiou somente uma luta da noite, então contemplou  quatro lutadores: Daniel Cormier, Paulo Borrachinha, Anthony Pettis e Khalil Rountree.

Na luta principal, Daniel Cormier fez história nocauteando Stipe Miocic ainda no primeiro round da luta, e se tornou campeão em duas divisões – Peso pesado e meio-pesado e recebeu os 50 dólares por uma das grandes performances da noite. Assim como “DC”, Rountree precisou de apenas um assalto para nocautear a fera do Kickboxing Gokhan Saki, enquanto Anthony Pettis finalizou Michael Chiesa no segundo round.

No card preliminar, o brasileiro Paulo Borrachinha se destacou pelo grande desempenho. O mineiro freou o impeto de Uriah Hall, e por nocaute técnico no segundo round, manteve a invencibilidade na carreira e agora acumula 12 triunfos, sendo quatro no Ultimate e todos por nocaute.

CONFIRA OS RESULTADOS DO UFC 226

Aconteceu neste sábado (14), o UFC Fight Night 133, diretamente de Boise, Idaho, Estados Unidos. No confronto principal, o brasileiro Junior Cigano enfrentou o búlgaro, Blagoy Ivanov, pela divisão dos pesados.

Leia também: Bellator 202: Julia Budd derrota Talita Nogueira e mantem cinturão; Dudu Dantas é nocauteado e sofre grave lesão

Estreando no Ultimate, o carioca Raoni Barcelos enfrentou Kurt Holobaugh. Uma luta antes do brasileiro, também fazendo sua estreia, a peso-mosca Jennifer Maia, duelou contra a americana Liz Carmouche na terceira luta do card preliminar.

CARD PRINCIPAL:
Peso-pesado: Junior Cigano venceu Blagoy Ivanov por decisão unânime (50-45, 50-45, 50-45)
Peso-meio-médio: Sage Northcutt venceu Zak Ottow por nocaute aos 3m13s do segundo round
Peso-pena: Rick Glenn venceu Dennis Bermudez por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)
Peso-meio-médio: Niko Price venceu Randy Brown por nocaute técnico aos 1m09s do segundo round
Peso-pena: Chad Mendes venceu Myles Jury por nocaute técnico aos 2m52s do primeiro round
Peso-galo: Cat Zingano venceu Marion Reneau por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-26)
CARD PRELIMINAR:
Peso-galo: Alejandro Perez venceu Eddie Wineland por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28)
Peso-pena: Alex Volkanovski venceu Darren Elkins por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Peso-mosca: Said Nurmagomedov venceu Justin Scoggins por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)
Peso-pena: Raoni Barcelos venceu Kurt Holobaugh por nocaute técnico aos 1m29s do terceiro round
Peso-mosca: Liz Carmouche venceu Jennifer Maia por decisão unânime (30-27, 30-27, 29-28)
Peso-mosca: Mark De La Rosa venceu Elias Garcia por finalização (mata-leão) aos 2m do segundo round
Peso-palha: Jessica Aguilar venceu Jodie Esquibel por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)

FOTO: GETTY IMAGES

Depois de rumores para uma possível volta ao MMA, agora está confirmado o retorno de Brock Lesnar. Em comunicado ao site MMA Fighting, a USADA (Agência antidoping dos Estados Unidos) confirmou a volta do ex-campeão dos pesados do UFC aos testes antidrogas da entidade.

“Depois de receber a notificação de sua intenção de competir no UFC, a USADA voltou a colocar Brock Lesnar no grupo de testes em 3 de julho. Com seis meses e quatro dias restantes em seu período de inelegibilidade, Lesnar poderá competir em/ou após 8 de janeiro de 2019, caso ele permaneça em conformidade com a Política antidoping do UFC”, relatou um porta-voz.

Leia também: Após derrota, Dana critica Francis Ngannou: “O ego dele subiu demais”

Lesnar que atualmente ainda cumpre suspensão após ser flagrado em exame antidoping na luta contra Mark Hunt no UFC 200, em julho de 2016. Na ocasião, o americano venceu por decisão unânime, mas o resultado foi revertido para “No Contest”. Posteriormente a punição, Brock Lesnar anunciou aposentadoria do esporte, o que acabou paralisando a penalidade, retornando desde o dia 3 com prazo para terminar no dia 8 de janeiro de 2019.

Aos 40 anos de idade, Brock Lesnar possui no MMA cinco vitórias, três derrotas e uma luta sem resultado. O peso-pesado conquistou o cinturão do Ultimate em 2008 depois de bater Randy Couture. Depois de duas defesas bem sucedidas, perdeu o título máximo depois de ser brutalmente nocauteado por Cain Velásquez em 2010, seguindo de mais um revés contra Alistair Overeem, o que culminou em sua “primeira” aposentadoria.

No último sábado, durante o UFC 226, Brock acabou protagonizando uma confusão com o campeão Daniel Cormier no octógono, depois da vitória do mesmo contra Stipe Miocic. Em coletiva de imprensa, Dana afirmou que a organização pretende oficializar essa luta.

FOTO: Zuffa LLC via Getty Images

Em um dos eventos mais esperados do ano, o Ultimate realizou neste sábado (07) na T-Mobile Arena em Las Vegas nos Estados Unidos, o UFC 226. Na luta principal, o campeão dos pesados Stipe Miocic enfrentou o campeão dos meio-pesados Daniel Cormier pelo cinturão dos pesados.

SE FIRMANDO DE VEZ NA HISTÓRIA

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, praticando um esporte
FOTO: GETTY IMAGES/UFC

Daniel Cormier mais uma vez provou sua força. Apesar da desvantagem na altura, o campeão meio-pesado não se intimidou com o até campeão dos pesados Stipe Miocic, e por nocaute no segundo round, entrou para história após conquistar o segundo título de forma simultânea.

O confronto se iniciou com Stipe Miocic tentando cercar Cormier que respondeu com alguns uppercuts, Miocic agarrou Daniel Cormier e ambos ficaram agarrados com “DC” de costas para grade. Com pouco menos de três minutos a luta voltou a ficar em pé e Stipe Miocic continuando a tentar algumas sucessão de golpes conseguindo acertar bons socos. Daniel Cormier voltou a responder bem com chutes e alguns diretos. Na reta final do round, o duelo se desenvolveu na trocação franca onde Cormier conectou um forte cruzado de direita levando Miocic para o chão, seguindo com mais socos forçando o árbitro central a interromper o embate.

Aos 39 anos de idade, o campeão dos meio-pesados Daniel Cormier conquista o segundo cinturão simultâneo. Após a batalha, ainda no octógono, o americano desafiou o ex-campeão Brock Lesnar que subiu no cage. Os dois protagonizaram alguns empurrões e provocações. Mesmo com a não oficialização, ao que tudo indica, a primeira defesa de cinturão dos pesados de Cormier será contra o astro da WWE.

MUITAS VAIAS E POUCA EFETIVIDADE

No duelo que antecedeu a principal, os pesos-pesados Derrick Lewis e Francis Ngannou fizeram um combate bastante aguardado pelo fãs, entretanto, não superaram as expectativas.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
FOTO: UFC/GETTY IMAGES

A luta começou com os dois respeitando a distância com pouca movimentação. Apesar de buscar encurralar Lewis de costas para grade, Ngannou sofria com os contra-ataques do americano que tentava alguns chutes. Com vaias do público pela escassa efetividade, assim terminou o primeiro round.

Assim como na primeira etapa, o segundo round continuou devagar com ambos lutadores mostrando pequena ação. Francis Ngannou seguiu praticamente nulo na frente de Lewis que apenas esboçava alguns golpes em sequência.

Apesar de ambos no intervalo serem advertidos pelos treinadores para buscar mais a luta, o embate seguiu pouco empolgante com ambos mostrando pouca eficiência. Nos segundos finais, os dois tentaram aumentar a intensidade da luta, mas pouco fizeram, com muitos golpes no vazio. Final de luta, Derrick Lewis é declarado o vencedor por decisão unânime dos juízes laterais.

RESULTADOS UFC 226

CARD PRINCIPAL:
Daniel Cormier venceu Stipe Miocic por nocaute aos 4m33s do primeiro round
Derrick Lewis venceu Francis Ngannou por decisão unânime (29-28, 29-28, 30-27)
Mike Perry venceu Paul Felder por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)
Anthony Pettis venceu Michael Chiesa por finalização aos 52s do segundo round
Khalil Rountree venceu Gokhan Saki por nocaute a 1m36s do primeiro round
CARD PRELIMINAR:
Paulo Borrachinha venceu Uriah Hall por nocaute técnico aos 2m38s do segundo round
Raphael Assunção venceu Rob Font na decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Drakkar Klose vence Lando Vannata na decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)
Curtis Millender venceu Max Griffin na decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28)
Dan Hooker venceu Gilbert Durinho por nocaute aos 2m28s do primeiro round
Emily Whitmire venceu Jamie Moyle na decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28)

As principais notícias do esporte que mais cresce no mundo, em um só lugar. 

Contate-nos:  

[email protected]

© Copyright 2015-2018 Tudo Sobre MMA| desenvolvido por: Vedrak Devs