Desembolando o Peso Médio do UFC: Quem é o Regente?

|OPINIÃO| Com o campeão, Israel Adesanya, indo se testar na categoria de cima, como fica o Peso Médio do UFC em sua ausência? Quem deverá ser seu Regente?

Sobre esse Artigo

E aí meus amigos, tudo certo com vocês?

Hoje eu venho aqui propor uma discussão. Isso mesmo, vou expor algumas confabulações aqui sobre o momento e o futuro da categoria dos Pesos Médios (até 84kg) do UFC, onde o campeão é Israel “The Last Stylebender” Adesanya, popularmente também conhecido como Izzy.

Espero que vocês curtam e que deem suas opiniões após a leitura!

Qual é o Problema?

(Photo by Mike Roach/Zuffa LLC via Getty Images)

Para aqueles que estão por fora do que anda acontecendo na categoria dos Médios (até 84kg) – e pra quem já tá ligado, mas gosta de ver as confusões que rolam dentro do UFC, vou explicar aqui:

Israel Adesanya, depois de ganhar do brasileiro Paulo Costa, o  “Borrachinha”, disse que queria subir para a categoria de cima, o Peso Meio Pesado (até 93kg) e, desafiar o atual e, novo campeão, Jan Blachowicz. 

O polonês aceitou o combate:

E não apenas Jan confirmou o combate, com o próprio Dana White afirmou o mesmo:

“Quando a luta acabou na ‘Ilha da Luta’, pensei: ‘Vou ter que sentar com esse garoto e convencê-lo a enfrentar Whittaker’. E Whittaker chega (na coletiva) e diz que não queria enfrentá-lo. A m*** mais louca que já vi. Portanto, não há discussão com Israel agora. Achava que Whittaker merecia a chance, mas ele não quer, então vamos deixá-lo fazer isso” – Disse Dana.

Sabendo disso os lutadores da categoria dos Médios já começaram a se movimentar para saber o que devem fazer – alguns já dizem até em título interino, como a tentativa de se casar Paulo Costa com Robert Whittaker, o ex campeão da categoria e o ex desafiante ao título, valendo o cinturão interino, mostra. 

Esse título interino não deve sair – pelo menos não agora,  mas a ideia de se organizar lutas para preparar a categoria para a volta de seu Rei é algo real, afinal, além de criar entretenimento (caso haja uma narrativa adequada) a categoria se movimenta e os lutadores do top 10 não ficam parados.

Entendendo a Situação

Antes de entrarmos diretamente no motivo deste artigo existir – tratar de suposições para o top 10 do peso Médio, quero falar sobre a problemática de Adesanya subir de categoria de peso para disputar um cinturão.

Ela se dá pelo combate entre Adesanya e Blachowicz estar sendo cogitado para acontecer em Março de 2021. A partir disso, então, surgem três problemas:

  1. Independente do resultado, Adesanya deve ficar, no mínimo, 2 ou 3 meses fora de ação, uma vez que precisa de um tempo para se preparar para sua luta posterior – se precisar se recuperar, esse tempo até pode se estender. Ou seja, nesse cenário, a sua próxima luta só aconteceria em Junho ou Julho de 2021, no cenário otimista.
  2. Adesanya vence. E além de ter que um período mínimo de 2 ou 3 meses de espera para a sua luta, talvez o combate mais interessante seja algo nos Meio Pesados, o que pode simplesmente deixar os médios a ver navios. Pelo valor e desafio certo, é possível que ele opte por isso, já pensaram num duelo com algum nome de peso da categoria? Glover, Gustaffson (supondo que ele ainda queira lutar..)
  3. Jon Jones.

Apesar disso, para nós, fãs, isso não é um problema, na verdade é a solução. Quanto mais confusões, suposições e especulações, mais nós queremos assistir a cada um desses combates. Mas, para os atletas dos médios é um tremendo de um problema!

E ai, como fica o Peso Médio?

Bom, vamos para o que interessa aqui: falar de como fica o peso Médio. Sem entrar no mérito de um cinturão interino agora, vou propor algumas lutas baseada no top 10 da categoria, que poderiam funcionar como um singelo torneio – mas não deixa o Dana White saber disso, se não ele tem uma ataque alérgico.

Antes, contudo, é importante comentar que algumas lutas já estão casadas, portanto estão listadas aqui. Elas entram na discussão sem expor um vencedor, apenas indicando que o vencedor pegará a luta proposta.

Por exemplo, o top 8, Kelvin Gastelum vai enfrentar o top 15, Ian Heinisch, no dia 30 de Janeiro ou, o top 9, Uriah Hall está escalado para enfrentar o top 11, Chris Weidman, no dia 13 de Fevereiro. Dessa forma, vou tratar esses dois casos como ‘o vencedor dê’, para facilitar – afinal, quando um lutador menor ranqueado vence alguém a sua frente, ele toma aquela posição.

TOP 1, Robert Whittaker vs TOP 5, Marvin Vettori

Whittaker afirmou que ainda queria fazer mais uma luta antes de enfrentar Adesanya – que segundo Dana White estava disposto a dar a revanche para o ex-campeão. Não aconteceu, então porque não dar essa luta que o top 1 da categoria queria? Marvin Vettori pediu Borrachinha após sua última e impressionante vitória, mas por que não Whittaker? O hype no italiano cresceu e ele parece se encaixar na medida para o top contender dos Médios. Quem vencer, faz a revanche com o campeão? Talvez não, mas nada nos impede de imaginar.

TOP 2, Paulo Costa vs TOP 7, Derek Brunson

Costa, conhecido como Borrachinha no UFC, queria lutar pelo cinturão o mais rápido possível. Mas entre planos de cinturão interino e lutas contra o top 1 da categoria, o ideal apra ele era uma luta de recuperação após sua última luta (quando foi brutalizado pelo campeão da categoria. E Derek Brunson é o lutador ideal para isso. Todos saem ganhando, eu, você e os dois. Derek é vencível, mas um teste real para Costa que precisa lidar com o jogo de quedas do americano. Já Brunson, tem no brasileiro, uma janela aberta para o top 3 da categoria que ele vem almejando há tempos. 

TOP 3, Jared Cannonier vs TOP 8, vencedor de Gastelum vs Heinisch

Cannonier precisa se erguer da derrota para o número 1 da categoria, e o vencedor de Gastelum vs Heinisch parece uma luta interessante. Tanto Gastelum quanto Heinisch tem a luta agarrada como base e a mão pesada (Kelvin se destaca por ter desenvolvido um jogo de trocação bem apurado na Kings MMA). Ou seja, a luta de recuperação para um, e a da alavancagem para o outro é, certeza de uma boa apresentação com direito a cenas de trocação insanas, muito poder de nocaute, e tentativas de quedas e controle Ground and Pound (o famoso gnp) assustadores.

TOP 4, Darren Till vs TOP 9, vencedor de Hall vs Weidman.

Till está num momento difícil na carreira e precisa de uma luta de recuperação, enquanto o vencedor de Hall vs Weidman estará em busca de uma subida para o top 5 da divisão. A luta parece valer para mim exatamente por cumprir a necessidade de cada atleta. Darren é um bom lutador e sua juventude seria relevante para um combate contra um atleta já mais velho, experiente e procurando, talvez, um último tiro na direção do título.

TOP 5, Jack Hermansson vs TOP 10, Kevin Holland:

Essa luta seria um prêmio pelo bom trabalho apresentado por Holland durante 2020 e uma oportunidade de recuperação para Hermansson, que perdeu a sua última luta e precisa de alguém ‘vencível’ mas ainda com relevância (top 10) para não cair no esquecimento popular – e convenhamos, ele já não é lá muito conhecido, então somando isso ao hype de Kevin, essa luta parece fazer sentido para mim. O vencedor vai pegar o hype do derrotado, que vai ter que lamber suas feridas para a próxima rodada.

Campeão, Regentes e o Futuro

Depois desses cinco combates interessantes, vamos ter 5 lutadores prontos para se enfrentarem. É provável que após isso, o ranking também dê uma mudada um pouco drástica. Dependendo da apresentação do atleta já que uma vez que alguém se destaque muito pode simplesmente subir no ranking mais do que o outro que venceu bem, mas não empolgou. Nocautes espetaculares costumam fazer a cabeça dos jornalistas responsáveis pelo ranking do evento.

Então, acho que podemos concluir que: apesar da possibilidade de não termos um campeão ativo na categoria, há muitas lutas a serem feitas. E lutas boas!

E como são 10 atletas em rota de colisão, é muito plausível que se organize o ‘torneio dos médios’ em um período de tempo de médio a longo prazo. Uma luta por evento grande, talvez ocupe um ano inteiro.

Whittaker pode ser o primeiro a ter sua luta no mesmo evento de Adesanya vs Blachowicz, para já estar apto para o combate com o Nigeriano na sequência. Ou, caso essa luta não aconteça por um dos motivos já apresentados aqui neste artigo, o plano do título interino pode surgir novamente. Um cinturão interino não deve ser criado sem que haja realmente um motivo, mas uma vez que o Campeão continue fora da categoria, ele se faz necessário e, caso esse motivo surja, a categoria contará com uma nova perspectiva entre seus atletas de elite.

Um cenário perfeito para um Regente surgir.

Espero que vocês tenham curtido a leitura e a ideia por trás desse artigo que incentiva torneios, mesmo que o presidente do maior evento do mundo não goste muito dessa palavra. 

Obrigado pela sua presença aqui, comente se tiver algo que gostaria de contribuir com a discussão e um abraço!

Escrito por Rodrigo Carvalho

Leia também: https://esp4.com.br/mma/vitoria-empate-e-derrota-do-bronx-deiveson-e-o-ufc-256/

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes