Vitória, Empate e Derrota: Do Bronx, Deiveson e o UFC 256

|OPNIÃO|O UFC 256 nos presenteou com vitórias espetaculares, um empate controverso e a ascensão de Charles Oliveira.

O UFC 256

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

No dia 12 de Dezembro de 2020 o UFC 256 aconteceu em Las Vegas, Nevada, no prédio  próprio do evento, o UFC Apex. Lá, uma disputa de cinturão aconteceu – e foi incrível, a ascensão de uma nova estrela nos pesos Leves se tornou evidente para todo o mundo enquanto lendas do esporte caíram – talvez para nunca mais voltar ao palco do Ultimate.

Vamos dar uma resumida nos combates do card principal para você, leitor, que não pode assistir o evento, ou, quer saber nossa leitura desses resultados.

Um empate e Cinturão continua no Brasil!

(Photo by Mike Roach/Zuffa LLC)

Debilitados por APENAS 21 dias de preparo, corte de peso e treinamento, Deiveson Figueiredo e Brandon Moreno entregaram tudo no octógono do UFC. O resultado foi um empate majoritário e, consequentemente, o cinturão ficando com o campeão.

A luta foi tensa, do início ao fim. O Deus da Guerra apostando em golpes potentes e confiando em seu queixo e o Assassin Baby usando seus golpes alongados, volume e guarda fechada. Com direito a cada um, em seu momento, balançar pelos golpes recebidos.

Daico foi melhor em três rounds (1,2 e 5) enquanto Moreno prevaleceu nos outros dois (3 e 4).  O campeão prevaleceu enquanto foi capaz de causar danos e frear o ímpeto do desafiante com seus golpes potentes – que aos poucos foram deixando claras marcas no corpo de Moreno. Já o desafiante era eficaz no volume – se aproveitando da confiança de Figueiredo em seu queixo, conectando vários golpes na cabeça do brasileiro, que culminou em momentos tensos para ele no quarto round quando os golpes claramente se fizeram sentir.

As quedas do mexicano também foram muito presentes mas, apesar de serem efetivas, ele não conseguia manter o brasileiro no chão.

Se você está se perguntando o motivo de ter rolado um empate majoritário apesar de Daico ter vencido 3 rounds, eu te explico: houve um golpe ilegal no terceiro round (e sem entrar nos méritos da validade dos acontecimentos) um ponto foi retirado do campeão, o que levou ao resultado (47 a 47 – apesar de um dos árbitros laterias tenha dado vitória para Deiveson).

Xô zebra, a ascensão de Charles Oliveira

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

A vitória maiúscula de Charles Do Bronx aconteceu indo de encontro às casas de apostas e os palpites da maioria das pessoas (eu incluso, apesar de saber que poderia acontecer assim).

Não só maiúscula, em verdade é a MAIOR de todas para Do Bronx, que venceu aquele que era considerado o segundo peso Leve mais sinistro do UFC.

A luta ocorreu como acreditei que deveria acontecer (acessa aqui: https://esp4.com.br/mma/o-desafio-do-bronx-vs-ferguson-no-ufc-256/ que você vai entender), com Charles mostrando a supremacia de seu grappling – e digo grappling porque não é apenas JJB que ele usa, ele dominou o uso da luta olímpica e somou os dois conhecimentos para atingir esse nível. 

É complicado não falar de Tony Ferguson numa luta onde ele participa, mas há pouco o que dizer sobre ele. Resiliente, lutou até o final para não ser grampeado, quedado e finalizado – a luta transcreveu-se majoritariamente no solo, e os únicos motivos de ‘respiro’ de El Cucuy foi quando estavam de pé, onde as valências estavam quase iguais. Ferguson mostrou maior desenvoltura, mas a ameaça constante de Oliveira em derrubá-lo tornou tudo mais difícil.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

A vitória se consolidou ainda no primeiro round, quando o brasileiro derrubou com uma queda incrível. Mas foi no final do primeiro round que tudo ficou claro – Ferguson não bateu num armlock brutal de Charles, mas ao levantar demonstrou o custo disso. Dai pra frente, foram três rounds de controle e domínio total do Brasileiro.

Agora, Charlinho é o terceiro do ranking do Peso Leve (até 70kg) do UFC e só tem dois caminhos no futuro: Ou pega o campeão ou o vencedor de Poirier vs McGregor pelo título vacante.

Ascensões e Quedas

Tanto Júnior dos Santos, o Cigano e, Ronaldo Souza, o Jacaré, encontraram nessa madrugada de sábado a derrota de forma retumbante. Nocauteados em suas respectivas lutas, os dois agora podem perigar estar entre os nomes (novos nomes?) da barca dos 60 demitidos do UFC que deve sair em pouco tempo, segundo o próprio presidente, Dana White.

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

O combate do peso Médio brasileiro ocorreu como de costume, lento mas com a habilidade no jiu jitsu brasileiro ainda afiados. Infelizmente, a idade pesou e com 41 um anos, Jacaré não consegue imprimir mais o ritmo e a pressão de sempre. Isso ficou claro quando o rapaz, Kevin Rolland, que fez 28 anos em Novembro e é muito grande para os 84kg (a marca do Peso Médio) conseguiu driblar as investidas de Ronaldo Souza usando pujança física e habilidade (o que também foi uma surpresa).

Jacaré optou por não tentar trocar e na primeira brecha que enxergou avançou, sem timming, nas pernas de Holland que não pode evitar a queda. Mas com cotoveladas conseguiu afastar a investida de Ronaldo e ainda teve a ousadia de buscar posições para finalizar o brasileiro em um sequência bem interessante (duas variações de triângulos muito bonitas) que Jacaré defendeu e, ainda sobre fortes golpes na cabeça, forçou a luta até a grade.

Ali, mesmo fazendo muita força, não conseguiu derrubar o americano que continuou aceitá-lo sem parar. Trocaram a dominância até que o brasileiro conseguiu, enfim, colocar Holland de costas no chão – nessa hora pensamos, agora vai fácil.

E foi, só que.. ao contrário. Holland, por baixo, atingiu golpes fortes no queixo de Jacaré que sentiu, foi se afastando, dando espaço para o adversário que ainda debaixo, aplicou um golpe poderoso que tirou o brasileiro da órbita. Dai pra frente foram mais alguns socos e um nocaute brutal. Kevin Holland com 5 lutas e 5 vitórias em 2020 e Ronaldo Jacaré com um pezinho, ou mais, fora do UFC. 

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Já o combate do peso Pesado brasileiro parecia que estava indo para um caminho melhor. Infelizmente, não foi. Junior Cigano até começou bem, media a distância, tentava contra golpear e soltava golpes pesados quando era possível.

Seu adversário estava respeitando e sentia alguns de seus golpes. Ainda assim, os chutes baixos de Ciryl Gane – campeão Francês de Muay Thai, começaram a fazer efeito no segundo round, diminuindo a velocidade e movimentação de Junior Cigano. Gane, também se aproveitou da guarda quase nula de Cigano e começou a conectar jabs, e às vezes até uns direitos, que aos poucos foram ferindo o brasileiro.

Na metade final do segundo round, Cigano foi acuado na grade depois de tomar um golpe no rosto e uma cotovelada que o fez se machucar, como de costume virou-se de lado para poder sair da situação perigosa e ai acontece: Ciryl encurtou a distância o atingiu com uma forte cotovelada na cabeça – na nuca, que o derrubou. O golpe foi dado como legal e o francês terminou golpeando o Cigano no chão.

Apesar de Dana White insistir que o golpe foi legal, fica claro, após rever o lance, que apesar de Cigano estar se virando para sair da situação, o golpe do francês foi desferido depois da movimentação começar. A luta, que deveria não ter resultado, foi dada como derrota para o brasileiro. Ciryl Gane, que nada tem a ver com isso, pois se o erro fosse apontado deveria aceitá-lo, saiu vitorioso e estreia adentrando no top 10 da categoria.

Dern vs Jandiroba – Uma vitória sofrida

(Photo by Jeff Bottari/Zuffa LLC)

No duelo de brasileiras (apesar de Dern ser meio americana e viver por lá) foi espetacular. Não é sempre que vemos duas meninas saindo na porrada como vimos nesse sábado!

O confronto terminou numa decisão unânime para Dern, que conseguiu conectar mais golpes e teve momentos onde conseguiu imprimir seu jogo, fazendo Jandiroba sentir seus golpes.

As duas saíram vencedoras desse combate, mas Dern apenas cresceu. Tecnicamente inferior na trocação e com o nariz quebrado – presente de Jandiroba no meio da luta, ela superou as dificuldades e venceu.

Conclusões pós UFC 256

No card preliminar houveram outras lutas; Renato Mociano foi surpreendido e, Cub Swanson mostrou que ainda é poderoso.

Mas esses foram os resultados mais interessantes do card principal.

Talvez Jacaré e Cigano sejam demitidos, mas precisamos aguardar para ver. Daico e Moreno já têm uma revanche preparada, segundo Dana White e Charles Do Bronx está a uma luta do cinturão.

O que você achou do evento? Concorda com as duas polêmicas que os juízes novamente proporcionaram?

Espero que tenham curtido a leitura, um abraço e até a próxima.

Escrito por Rodrigo Carvalho

Leia também: Após perder eleição, Rony Jason diz que vai colocar fogo em bandeira de Quixadá

Ouça nosso podcast – Spotify | Deezer | Itunes